Em último discurso, RC alfineta política de armamento e projeta a PB como Estado forte do Nordeste: "Nós somos a bola da vez" - WSCOM

menu

Política

02/01/2019


Em último discurso, RC alfineta política de armamento e projeta a PB como Estado forte do Nordeste: “Nós somos a bola da vez”

Foto: autor desconhecido.

Por Redação / Portal WSCOM

Durante a cerimônia de transmissão de cargo, realizada em frente ao Palácio da Redenção, na noite desta terça-feira (1º), em João Pessoa, Ricardo Coutinho (PSB), discursou pela última vez como governador da Paraíba. Em seu pronunciamento, o socialista afirmou que a Paraíba “derrotou o retrocesso”, e afirmou que exerceu uma gestão construída por conceitos, não manipulando dados ou informações e enfrentando várias dificuldades por ser um político de “posição firmada”.

 

“Este é um momento de emoção para mim, mas também de alegria profunda. Sei que a Paraíba derrotou o retrocesso e o atraso, e essa derrota é indiscutível, pois, não foi construída no estardalhaço da manipulação, ela foi decidida a partir dos conceitos gerados, das obras realizadas e das posições assumidas”, disse na ocasião.


Ricardo Coutinho ainda expressou a satisfação por saber que as políticas públicas implantadas na gestão terão continuidade com o novo Governo e comentou sobre a evolução da Paraíba nos últimos oito anos. “Minha fala é baseada em um sentimento que consegue medir o caráter de uma pessoa: a gratidão. Quero expressar minha gratidão aos cidadãos paraibanos por terem me tornado governador por dois mandatos. Agradeço a oportunidade de governar o Estado e poder entregá-lo profundamente diferente de quando assumi. Agradeço também a toda equipe que esteve comigo durante a gestão, cada um é uma peça que fez o projeto evoluir”, ressaltou.


O agora ex-governador ainda afirmou que continuará sendo uma peça importante na construção das políticas de Estado, agradeceu aos agradeceu aos prefeitos e prefeitas parceiros, e a sua equipe de trabalho. “Eu comandava o governo, mas não podia me considerar mais que ninguém. Era uma peça no projeto e hoje continuarei a ser uma peça”, disse.


Coutinho ainda projetou a gestão do aliado e governador empossado João Azevêdo (PSB), afirmando que confia no comando do socialista, assim como no talento de sua equipe. “Desde o início [João Azevêdo] esteve no centro das ações e passa a dar continuidade e dar valor a tudo isso. Tenho convicção no talento da equipe e no comando de João Azevêdo. Esse estado está fadado a ser o grande do Nordeste, somos a bola da vez”, declarou o ex-governador, que concluiu: “Tenho certeza que o governador João Azevêdo dará continuidade ao avanço do Estado. Ele será um grande governador. Saio do Governo com uma satisfação enorme por ter feito essa bela caminhada que melhorou a vida do povo. Para João, desejo um bom trabalho e que ele continue semeando coisas boas pelo Estado”.


Política de armamento

Ainda durante o discurso, Ricardo Coutinho comentou os avanços da Paraíba na área de segurança pública. Sem citar nomes, ele ainda alfinetou a proposta de armamento da população brasileira, prospectada pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) e aliados. “Na Paraíba, armas continuarão a ser apreendidas”, assegurou o socialista.


“Aqui não teve arroubo nem bravata ao dizer, por falta de conhecimento o por outras relações não republicanas ou não humanas, de dizer que a saída para a segurança era distribuir armas para a população. Na Paraíba apreendemos armas, e tenho certeza que João vai continuar, pois, armas não constroem nada”, disse.