Em reunião tensa, PT de Minas aprova aliança com PSDB na disputa pela Prefeitura - WSCOM

menu

Política

16/05/2008


Em reunião tensa, PT de



Fernando Pimentel comemora resultado

Em uma reunião tensa, o Diretório Estadual do Partido dos Trabalhadores de Minas Gerais referendou a coligação entre a legenda petista e o PSDB personificada na indicação do secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais, Márcio Lacerda (PSB), tendo como candidato a vice o deputado estadual Roberto Carvalho (PT) para a disputa da Prefeitura de Belo Horizonte.

A decisão será oficialmente enviada nesta sexta à Executiva Nacional do PT, que tem até o dia 30 de maio para se pronunciar sobre o resultado.

Fernando Pimentel reuniu seus correligionários após a decisão

O grupo ligado ao prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel (PT), mentor da dobradinha juntamente com o governador Aécio Neves (PSDB), venceu com uma margem de apenas 3 votos de diferença (29 a 26) e 3 abstenções.

A votação foi marcada por discursos acalorados e por uma defesa acirrada do grupo ligado ao ministro Patrus Ananias (Desenvolvimento Social e Combate à Fome) pela derrubada da dobradinha, que já havia sido aprovada pelo diretório municipal petista, semana passada.

Para o deputado estadual André Quintão (PT-MG), interlocutor do ministro Patrus Ananias e contrário à coligação, a vitória apertada significou a ruptura definitiva petista em Belo Horizonte.

A decisão do diretório estadual do PT em MG em favor da aliança com o PSDB em Belo Horizonte (MG) vai esbarrar na determinação da Executiva Nacional da legenda em vetar a parceria. Leia mais

Petistas lamentam racha do partido em Minas Gerais

“O resultado da votação expressa a profunda divisão que o PT hoje tem em relação à prática eleitoral na capital. Se a direção nacional não encontrar uma forma de recomposição do PT em Belo Horizonte, o PT hoje, eu diria, perdeu o sentido de unidade em todo o estado por causa do processo mal conduzido em Belo Horizonte”, disse.

Para Quintão, a única possibilidade de unir o partido novamente seria a manutenção do veto à dobradinha entre os dois partidos com histórico de posições antagônicas.

Outro descontente com o resultado de hoje, o ex-deputado Rogério Corrêa, ressaltou a importância do veto em nível nacional. Para ele, a decisão mostra que não houve vencedores na disputa.

Entrevista: Ricardo Berzoini diz que é

contra aliança com o PSDB em BH

“Houve uma decisão de 13 votos contra 2 pelo veto a essa aliança com o PSDB. Hoje, se vocês observarem bem, houve três abstenções, o que significa 29 a 29 (Votos). O prejuízo é muito grande se o que foi aprovado aqui for levado adiante”, ressaltou.

Para o presidente do diretório regional do PT, deputado federal Reginaldo Lopes, o acirramento da disputa se deu por causa da importância da capital mineira e da vitrine que a dobradinha possa dar aos tucanos.

“Tem setores do partido que acreditam, por ser a capital mais importante que o PT governa, esse apoio do PSDB tem uma visibilidade nacional, e por isso o partido não deveria aprovar a aliança com o PSDB,” explicou.

Notícias relacionadas