Edmundo marca dois gols e frustra o Palmeiras - WSCOM

menu

Mais Esporte

27/10/2005


Edmundo marca dois gols e

Ex-jogador do Palmeiras, time que ajudou a conquistar o bicampeonato paulista e brasileiro em 1993 e 1994, o atacante Edmundo voltou a viver uma noite de glória no Parque Antarctica. Desta vez, porém, vestindo a camisa do Figueirense. O camisa 10 da equipe catarinense, que teve seu nome gritado pela torcida paulista antes e depois da partida, marcou duas vezes (ambas de pênalti) e determinou o empate por 2 a 2 com o rival alviverde nesta quinta-feira.

“Queria muito que o Palmeiras fosse campeão. Vivi um período bom demais aqui e tenho um carinho imenso pelo clube. Infelizmente, ajudei a deixar o sonho deles mais longe”, lembrou Edmundo, que não comemorou como forma de respeito à torcida do Palmeiras e se limitou a dois cumprimentos ao goleiro Marcos.

Os gols de Edmundo impedem o Palmeiras de figurar na zona de classificação para a próxima edição da Copa Libertadores. O time paulista chega aos 55 pontos e se mantém na quinta posição. O Fluminense, quarto colocado, tem 56 e um jogo a menos que o time paulista.

Em contrapartida, Edmundo garantiu o Figueirense por mais uma rodada longe da zona de rebaixamento. O time catarinense tem 38 pontos e assegura a 18ª colocação do Campeonato Brasileiro (as quatro últimas equipes cairão para a Série B).

“Fico muito emocionado de jogar aqui no Parque Antarctica e de enfrentar o Palmeiras. É difícil jogar contra um time que me traz lembranças tão boas, mas eu preciso lembrar que tem uma torcida inteira lá em Florianópolis que acredita no meu trabalho e eu tenho que retribuir esse carinho”, lembrou Edmundo.

O curioso é que, desde o início da partida, Edmundo foi o principal alvo de atenção do treinador palmeirense Emerson Leão. O comandante alviverde destacou o volante Roger para acompanhar o atacante e cobrou, a todo instante, atenção com o camisa 10 adversário.

O Figueirense volta a campo no próximo sábado, às 16h, quando recebe o Juventude no estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis. No dia seguinte, também às 16h, o Palmeiras encara o Atlético-MG no Mineirão, em Belo Horizonte.

O jogo

O Palmeiras briga por uma vaga na Libertadores. O Figueirense, para escapar do rebaixamento. O Palmeiras tem a melhor campanha como mandante no Brasileiro. O Figueirense, a segunda pior como visitante. Contudo, os catarinenses ignoraram estes dados e pressionaram o rival paulista no início do confronto desta quarta-feira, no Parque Antarctica.

O bom início do Figueirense foi premiado aos 19min. Adriano ganhou de Gamarra no alto e tocou de cabeça para Edmundo. Livre dentro da área, o camisa 10 driblou Marcos e foi derrubado. A cobrança da penalidade coube ao próprio Edmundo, que bateu no canto direito do goleiro para marcar.

Em desvantagem, o Palmeiras resolveu acordar. Aos poucos, o time paulista acertou a marcação sobre o Figueirense e conseguiu acabar com o domínio que a equipe visitante imprimiu nos minutos iniciais. “Demoramos demais para acordar. Começamos totalmente fora do jogo e só começamos a criar quando já estávamos perdendo”, lembrou o zagueiro Gamarra.

Apesar da evolução, o Palmeiras não conseguiu criar oportunidades para empatar o jogo. E quando chegou ao ataque, aos 30min da etapa inicial, o time da casa conquistou a igualdade. Baiano cobrou falta com muita força, Gustavo deu rebote para o meio da área e Gioino, livre de marcação, completou de primeira.

Preocupado com a falta de produtividade do seu meio-campo, o treinador Emerson Leão colocou Pedrinho no lugar de Diego Souza, ainda no intervalo. “Ele pediu para eu me movimentar bastante e dar opções para os atacantes”, contou o jogador que entrou.

Logo no início, a alteração de Leão se mostrou eficiente. Juninho, que teve mais liberdade após a entrada de Pedrinho, acertou lindo lançamento para Baiano aos 3min da etapa complementar. O camisa 2 invadiu a área e tocou na saída de Edson Bastos para colocar os donos da casa em vantagem.

Depois do gol, porém, o ritmo da partida caiu. Superior tecnicamente, o Palmeiras não conseguia criar oportunidades para finalizar. O Figueirense, com isso, se fechou na defesa e apostou nos contra-golpes puxados por Edmundo e Alessandro.

“Conseguimos nos equilibrar e tivemos as melhores oportunidades para definir o marcador. Se tivéssemos apresentado um pouco mais de calma, poderíamos ter decidido e saído daqui com uma vitória”, lamentou o atacante Edmundo.

Após ter perdido muitos gols, o Figueirense alcançou o empate aos 46min. Bruno, ex-jogador do Palmeiras, chutou na saída de Marcos. A bola passou pelo goleiro e Baiano impediu, com a mão direita, que ela entrasse. O árbitro gaúcho Leonardo Gaciba anotou pênalti e Edmundo cobrou com categoria para sentenciar o empate.

PALMEIRAS

Marcos, Baiano, Daniel, Gamarra e Michael; Roger, Correa (Alceu), Juninho Paulista e Diego Souza (Pedrinho); Marcinho e Gioino (Washington)

Técnico: Emerson Leão

FIGUEIRENSE

Gustavo (Edson Bastos); Paulo Sérgio, Vinícius, Cléber e Michel Bastos (Bruno); Rodrigo Souto, Bilu, Marquinhos Paraná e Edmundo; Alessandro e Adriano (Alexandre)

Técnico: Adílson Batista

Local: estádio do Parque Antarctica, em São Paulo (SP)

Árbitro: Leonardo Gaciba (RS)

Auxiliares: Júlio César Rodrigues e Paulo Ricardo Silva (ambos do RS)

Cartões amarelos: Alessandro (F), Daniel (P), Cléber (F), Edmundo (F)

Cartões vermelhos: Baiano (P)

Gols: Edmundo, de pênalti, aos 19min, Gioino, aos 30min do primeiro tempo; Baiano, aos 3min, Edmundo, de pênalti, aos 46min do segundo tempo

Notícias relacionadas