"É o decreto minha arma, minha morte’, diz deputado sobre porte de arma - WSCOM

menu

Política

10/05/2019


“É o decreto minha arma, minha morte’, diz deputado sobre porte de arma

O Decreto também ampliou compra de munição para 1.000 cartuchos por ano.

Na imagem, o deputado federal eleito, Frei Anastácio

O deputado federal Frei Anastácio disse que o Decreto assinado pelo presidente Bolsonaro, sobre liberação de porte de arma causará aumento da violência no Brasil. “Podemos até chamar de decreto ‘minha arma, minha morte’ porque com tanta gente armada nas ruas o índice de violência aumentará”, disse.

 

Segundo Frei Anastácio, o Presidente da República está levando o país a um clima de guerra entre os próprios cidadãos Brasileiros. “Eu vejo com muita preocupação esse novo Decreto assinado pelo presidente Bolsonaro, que possibilita o porte de arma para diversas categorias e classes sociais”, advertiu.

 

De acordo com o decreto, advogados, caminhoneiros e todos os políticos eleitos, desde o presidente da República até os vereadores poderão andar armados. “Imaginem os 513 deputados todos armados dentro da Câmara, como seria”, indagou o deputado.

Aumento no número de munição

 

O Decreto também ampliou compra de munição para 1.000 cartuchos por ano. “Outro ponto grave é o acesso dos adolescentes aos cursos de tiros, com autorização dos pais. Enquanto o governo corta recursos das universidades, incita a violência promovendo a liberação geral de armas, como se isso fosse resolver o problema da violência”, afirmou.

 

O deputado lamentou que além dessa liberação geral de armas, o Presidente da República quer dar carta branca à polícia para matar, com o pacote anticrime, apresentado pelo ministro Sérgio Moro. “Querem também autorizar os fazendeiros a matar qualquer pessoa que tente fazer uma ocupação de terra, sem punição. O governo está levando o país a um clima de guerra entre os próprios cidadãos brasileiros. É lamentável assistir a isso que está acontecendo. Algumas categorias, sim, precisam do porte de arma. Mas, a grande maioria sempre viveu sem isso”, disse.

 

 

 

 

 

Da Redação com a assessoria 
Portal WSCOM