Discurso de Lula abre espaço para discreta melhora nos mercados - WSCOM

menu

Economia & Negócios

12/08/2005


Discurso de Lula abre espaço

Os mercados financeiros esboçavam discreta melhora na tarde desta sexta-feira, após o esperado pronunciamento do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“O pronunciamento não agrava nem alivia a crise… mostra que o governo continua”, comentou o economista-chefe do ABN Amro Real, Mário Mesquita.

O economista Adauto Lima, do WestLB do Brasil, considerou o discurso “adequado para o momento”.

“O mercado temia uma radicalização, uma linha populista e não houve isso”, acrescentou.

Lula afirmou que está consciente da gravidade da crise política, pediu desculpas ao país e se disse traído pelos envolvidos no escândalo de corrupção. O presidente também citou progressos no campo econômico, como o forte desempenho da balança comercial e o controle da inflação.

O tom adotado por Lula fez com que os mercados não piorasse, embora não tenha também aberto espaço para uma recuperação vigorosa.

Às 14h46, na retomada após o intervalo de almoço, o dólar subia 1,11 por cento e era cotado a 2,371 reais.

Na máxima da manhã, registrada pouco antes de Lula começar a falar, a moeda norte-americana subiu 2,05 por cento, para 2,393 reais.

O principal índice da Bovespa tinha baixa de 1,37 por cento, a 26.268 pontos, em linha com o comportamento de Wall Street. O volume financeiro era de 1,081 bilhão de reais.

No início do dia, o Ibovespa chegou a perder mais de 3 por cento e pouco antes do pronunciamento do presidente a queda era de cerca de 1,7 por cento.

Pela manhã, a expectativa pelo discurso –aliada aos novos recordes do petróleo e à fraqueza do mercado acionário nos EUA– geraram mas tensão nos mercados brasileiros.

Notícias relacionadas