Delegado do GOE ouve vítimas e aguarda resultado de perícia em computadores - WSCOM

menu

Policial

18/04/2011


Delegado do GOE ouve vítimas de playboys

operação ‘playboy’

Foto: autor desconhecido.

O delegado Jean Francisco, do Grupo de Operações Especiais (GOE) da Polícia Civil da Paraíba, continua investigando a ação de um grupo de rapazes apontados como autores de clonagem de cartões de crédito e que tinha um policial militar como principal articulador do crime. Na manhã desta segunda-feira, 18, o delegado informou que já ouviu algumas vítimas dos falsificadores. As vítimas são proprietárias de estabelecimentos comerciais localizadas em João Pessoa.

Na semana passada ele já ouviu o dono de uma loja de veículos de Recife (PE). O material apreendido foi adquirido pela quadrilha em João Pessoa e Recife, e está avaliado em mais de um milhão de reais.

Até agora já foram apreendidos sete motos, um quadriciclo e diversos pneus. As investigações, segundo o delegado, continuam com o objetivo de identificar outros possíveis envolvidos com a quadrilha, bem como a existência de outros materiais produtos das falsificações na clonagem de cartões.

Jean Francisco revelou que quatro computadores já foram encaminhados para o Instituto de Polícia Científica para serem periciados e podem revelar mais detalhes sobre a ação da quadrilha. “Ainda não temos data para a conclusão da perícia”, esclareceu.

Na operação batizada de “Playboy” foi preso o soldado da Polícia Militar da Paraíba, Rafael Paz de Siqueira Andrade, apontado como um dos principais articulares do esquema de clonagem de cartões de crédito.

Os outros presos foram os articuladores do esquema de clonagem de cartões de crédito e ainda os pernambucanos André Cruz Sousa Leão, 31 anos; Gustavo Henrique Feijó Pessoa 32; José Nilson Dantas Júnior, 29; Felipe Brito Germoclio, 32 e José Nilson Dantas (54), pai de Nilson Júnior.

A Operação ‘Playboy’ foi realizada pelo Grupo de Operações Especiais da Polícia Civil (GOE), em parceria com a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Púbico Estadual.

 

Notícias relacionadas