– Se parasse hoje, não estaria satisfeito. Tenho sonhos para realizar e um deles seria ganhar uma Libertadores pelo São Paulo. É um dos sonhos que trago comigo – confessou o jogador, de 33 anos. 

Na manhã deste sábado, o São Paulo acertou a contratação de Hernanes pelas próximas três temporadas. O Tricolor desembolsará algo em torno de R$ 13 milhões nos cofres do Hebei Fortune, da China, para contar com o atleta. O mais novo reforço são-paulino se reapresenta no dia 3 de janeiro, no CT da Barra Funda, para iniciar sua terceira passagem pelo Morumbi. 

– Com 33 anos, é uma idade simbólica, uma idade que tem muito significado para mim, voltando ao São Paulo, voltando às origens, tem tudo a ver. Estou jogando sem dor nenhuma, e pronto para viver um ciclo vitorioso que não fiz até hoje. Me sinto muito motivado, muito esperançoso. Me vejo mais pronto, mais preparado – explicou o Profeta. 

Confira a entrevista: 

Forma física
Sempre quis aliar a técnica que sempre tive, com mais força, mais explosão, mais velocidade. Hoje vou para campo e me sinto realizado, com todas as condições técnicas e físicas que tenho. Para mim é muito interessante e agora quero aproveitar isso da melhor maneira. Quero conquistar o que não conquistei.

Significado do retorno ao São Paulo 
Estou tentando encontrar as palavras para descrever porque é como se fosse um presente. Um presente de Deus, do universo, da vida. Como se alguém falasse: ‘tu estás pronto para realizar aquilo que você trabalhou durante toda a vida. Está aqui a oportunidade mágica, de ouro, para você fazer isso’. Estou encarando dessa maneira. É muito lindo estar vivendo esse momento, é um momento mágico. O esforço que o São Paulo fez para me buscar. Esse esforço, juntamente com o torcedor, é muito lindo. É mágico.

Vontade de jogar no São Paulo
Dos 16 aos 20 anos, fiquei no São Paulo. Eu era banco de reservas na maioria das vezes, no juniores e no juvenil. Não tinha contrato e meu empresário dizia assim: ‘tenho times interessados em você que querem assinar por dois anos’. No São Paulo, eu recebia ajuda de custo e eu dizia que iria jogar no São Paulo. Com 20 anos, os caras não me queriam e eu tive que ir embora. Fui para um dos rivais e, de repente, soube que o São Paulo me queria de volta: voltei sem pensar. Quando eu vejo o esforço que vocês (diretoria)estão fazendo, isso é mágico para mim. A vida é linda. Não tem palavras.

Segunda e terceira passagem pelo São Paulo
2017 foi um momento mágico. Nem nos meus melhores sonhos imaginaria algo como aquilo. Foi espetacular. Agora, em 2017, vem uma carga de expectativa do torcedor altíssima. Sei que a expectativa destrói as melhores viagens, os melhores restaurantes…destrói tudo. Aquilo que era o melhor, o bom, nunca é bom o suficiente. Não há deslumbramento. Por mais que eu ache que vá ser uma coisa mágica, não há deslumbramento. Venho para trabalhar, venho focado.

O que o torcedor pode esperar?
O torcedor pode esperar a paixão de sempre. Nós, que vestimos aquela camisa temos que entender que podemos errar uma vez, errar um jogo. Faz parte, é humano. Mas, no São Paulo, você não pode errar dois jogos. É isso que temos que entender e é isso que o torcedor pode esperar de mim. Vou dar o máximo para honrar essa camisa. 

Identificação com o São Paulo 
Queria criar uma identificação com o clube, com o torcedor. Tentei isso na Lazio e quase consegui por ter ficado mais tempo. Com o São Paulo nunca houve briga, nunca houve nada. História limpa, clara. Quero manter isso porque é a minha casa. Eu pertenço àquele lugar.


Por Lance