De virada, Atlético-PR se vinga do São Paulo - WSCOM

menu

Mais Esporte

20/08/2005


De virada, Atlético-PR se vinga

Durante a semana, os jogadores de Atlético-PR e São Paulo minimizaram o duelo deste sábado pelo Brasileiro, que seria o primeiro encontro dos clubes depois da decisão da Libertadores, vencida pelos paulistas. Entretanto, quando a bola rolou, as equipes mostraram que a rivalidade entre os times é grande e, com grande atuação de Ferreira, os paranaenses se vingaram, vencendo por 4 a 2 de virada, na Arena da Baixada.

Aliás, o estádio foi o principal motivo para a rivalidade entre os clubes. Por não comportar 40 mil torcedores, os rubro-negros foram impedidos de jogar a final do torneio continental lá, tendo que ir atuar em Porto Alegre, no Beira-Rio.

O fato até hoje não foi bem aceito pelos torcedores paranaenses, que levaram várias faixas ao jogo desta noite dando as “boas-vindas” ao São Paulo. Por sinal, o time tricolor nunca venceu o Atlético-PR na Arena da Baixada e há 23 anos não derrota o rival em Curitiba.

O clima de tensão nas arquibancadas se transferiu para o campo e o jogo foi disputado com muitos lances ríspidos e discussões de lado a lado. Prova disse é que logo aos 10min o São Paulo teve o zagueiro Alex expulso, por falta desleal em Fabrício.

Com a vitória deste sábado, os paranaenses confirmaram a ascensão no Brasileiro e pularam para os 25 pontos e irão terminar o primeiro turno na zona intermediária da tabela. Algo que pode ser comemorado, já que na maioria das rodadas o time esteve na zona do rebaixamento.

Para conquistar os três pontos, o time, que não teve a dupla de ataque titular, formada por Aloísio e Lima, contou com grande atuação do colombiano Ferreira. O jogador marcou dois gols e criou as melhores jogadas da equipe.

Já no São Paulo, apesar da derrota, um atleta tem motivo para comemorar. O centroavante Christian estreou pelo clube e marcou o gol são-paulino. “É sempre bom estrear com o pé direito”, disse.

Mas, com a derrota, a equipe tricolor corre sérios riscos de terminar o primeiro turno na zona do rebaixamento. Com 21 pontos, a equipe pode ser ultrapassada tanto por Flamengo quanto pelo Figueirense, que estão em 19º e 20º lugares, respectivamente, e jogam neste domingo.

Agora, ambos os clubes voltam a atuar na próxima quarta-feira, quando estréiam pelo segundo turno. Às 19h30, o Atlético-PR encara a Ponte Preta, em Campinas. Um pouco mais tarde, o São Paulo recebe o Fluminense no Morumbi, às 21h45.

O jogo

Foi um primeiro tempo tenso, de muitas faltas, discussões e poucos lances de emoção. Logo aos 10min, o zagueiro são-paulino Alex dividiu de forma dura uma bola com o rubro-negro Fabrício e foi expulso pelo árbitro.

Entretanto, não deixou o campo sozinho. Se contorcendo de dor e com suspeita de ter tido uma séria lesão no joelho esquerdo, Fabrício teve que ser substituído por Caetano e deixou o gramado chorando muito.

Depois disso, as discussões entre os jogadores passaram a ser freqüente e se alastrou para os bancos de reservas, com as comissões técnicas batendo boca sem nenhum motivo aparente.

Com os ânimos mais serenos, o Atlético-PR, empurrado pela sua torcida e com um jogador a mais, tratou de partir para cima, mas não conseguiu criar oportunidades efetivas de gol. Enquanto isso, o então acuado São Paulo, em um lance de sorte, abriu o placar.

Aos 30min, Junior cobrou falta dentro da área. Após grande confusão, a bola sobrou limpa para Christian que, sozinho na pequena área, estreou literalmente com o pé direito, completando para o fundo das redes.

O gol não chegou a abater os donos da casa, que empataram aos 42min. Jancarlos bateu falta fechada na pequena área. A defesa do São Paulo parou e Alan Bahia, de cabeça, deixou tudo igual.

Na saída para o intervalo, o goleiro Rogério Ceni abordou o árbitro Wagner Tardelli. “Disse para ele que achei a expulsão injusta. O Alex escorregou, não teve a intenção de machucar”, disse.

Os donos da casa vieram arrasadores para o segundo tempo. Logo aos 6min, Alan Bahia foi empurrado por Júnior dentro da área. Pênalti, que o colombiano Ferreira cobrou deslocando Ceni e desempatou.

Aos 12min, novamente Ferreira marcou. O atacante recebeu de Jancarlos na área e bateu no canto. Rogério Ceni pulou atrasado e aceitou: 3 a 1.

Tentando reverter o quadro, o técnico Paulo Autuori tratou de mexer e sacou Christian e Souza, colocando Leandro Bonfim – outro estreante – e Thiago Ribeiro. Entretanto, as alterações não surtiram efeito e o Atlético-Pr seguiu mandando no jogo.

Aos 43min, Jancarlos fez linda jogada individual, colocou a bola entre as pernas de Alex e, na saída de Rogério Ceni, tocou com categoria, ampliando. Na comemoração, o lateral tirou a camisa e foi expulso.

Até que aos 46min Amoroso sofreu pênalti. O próprio bateu firme, no alto, e diminuiu.

ATLÉTICO-PR

Diego; Danilo, Paulo André e Douglas; Jancarlos, Alan Bahia, Evandro (Ricardinho), Fabrício (Caetano) (André Rocha) e Marcão; Finazzi e Ferreira

Técnico: Antônio Lopes

SÃO PAULO

Rogério Ceni; Edcarlos, Lugano e Alex; Souza (Thiago Ribeiro), Mineiro, Richarlyson, Danilo e Júnior; Amoroso e Christian (Leandro Bonfim)

Técnico: Paulo Autuori

Local: Arena da Baixada, em Curitiba

Árbitro: Wagner Tardelli (Fifa-RJ)

Auxiliares: Aristeu Tavares e Hilton Moutinho Rodrigues (ambos Fifa-RJ)

Cartões amarelos: Marcão (A), Jancarlos (A), Souza (S), Christian (S), Lugano (S), Leandro Bonfim (S), Júnior (S)

Cartão vermelho: Alex (S)

Gols: Christian, aos 30min, Alan Bahia, aos 42min do primeiro tempo, Ferreira, aos 7min e 12min, Jancarlos, aos 43min, Amoroso, aos 47min do segundo tempo

Notícias relacionadas