Dados contra Dirceu são apagados de computador - WSCOM

menu

Brasil & Mundo

25/10/2005


Dados contra Dirceu são apagados

O deputado Júlio Delgado (PSB-MG), relator do processo de cassação do deputado José Dirceu (PT-SP), ex-ministro chefe da Casa Civil, informou, hoje de manhã, que os dados de 15 arquivos armazenados no computador de seu gabinete, na Câmara, foram apagados no último fim de semana. Ele relatou que, ontem, ao chegar para trabalhar, a funcionária de seu gabinete constatou que 15 pastas foram apagadas.

Delgado disse que conversaria, ainda hoje, com o presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), para saber se este é um acontecimento normal na Casa ou não. “Fico, de certa forma, assustado por isso ter acontecido neste momento. Quero saber se é um fato rotineiro na Câmara, ou se é uma coisa estranha que aconteceu comigo neste momento”, afirmou.

O parecer de Delgado pela cassação de Dirceu será votado na próxima quinta-feira de manhã, no Conselho Ética. O deputado informou que, entre os dados apagados, estão informações do processo contra Dirceu, como, por exemplo, informações que o relator recebeu sobre o prefeito Zeca Dirceu, filho do deputado petista, mas que não foram incluídos no relatório final; todos os cruzamentos de dados que foram feitos no processo e a análise do sigilo de Dirceu.

Delgado disse que o fato não vai prejudicar o processo contra Dirceu porque há cópias do relatório final. Mas, segundo ele, não é mais possível buscar, no arquivo que tinha, dados e informações que não foram usados no relatório. “Se tiver o desejo de trazer informações do primeiro esboço do relatório, hoje não posso mais”, lamentou.

Segundo Delgado, esse fato prejudica o mandato dele, porque havia pastas com ofícios contendo agendas de telefone, emendas parlamentares que apresentou, liberação de recursos de emendas ao Orçamento da União apresentados por ele e todos os dados de seu mandato. Delgado informou, também, que o Centro de Informática da Câmara já analisou o computador e constatou que os dados também foram apagados do chamado disco rígido, que registra em outro local os dados armazenados em seu computador. “Não estou falando que é sabotagem. Não desconfio de nada. Quero que a Casa me dê uma resposta”, afirmou o deputado mineiro.

Notícias relacionadas