Cuba nega doação de US$ 3 milhões ao PT - WSCOM

menu

Política

30/10/2005


Cuba nega doação de US$

O governo cubano negou neste sábado ter enviado US$ 3 milhões para a campanha presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva, segundo reportagem publicada pela revista “Veja”.

Em nota divulgada em Havana, o governo cubano chama a reportagem de caluniosa e afirma que que jamais interferiu em assuntos internos brasileiros. “O governo cubano responsabiliza essa manobra de propaganda aos agressivos planos do imperialismo contra Cuba e Lula.”

Segundo a nota, as acusações “foram feitas próximas à chegada do presidente norte-americano George W. Bush ao Brasil. O objetivo é desviar a atenção dos problemas cada vez maiores pelos quais ele está passando, acossado por investigações de corrupção a importantes líderes de seu próprio partido e em seu círculo mais estreito de colaboradores”.

A denúncia também foi negada pelo embaixador de Cuba no Brasil, Pedro Núñez Mosquera. Para ele, “os que orquestram essa campanha de mentiras contra Cuba e o governo brasileiro buscam afetar as relações bilaterais entre os dois países, caracterizadas pelo diálogo fraternal, o respeito mútuo, e a não interferência em assuntos internos de nossas nações”.

“Veja”

Na edição desta semana, a revista “Veja” afirma que a campanha do presidente Lula recebeu US$ 3 milhões vindos de Cuba, entre agosto e setembro de 2002. Ao chegar em Brasília, o dinheiro ficou sob os cuidados de Sérgio Cervantes, representante da Embaixada de Cuba no Brasil.

De Brasília, o dinheiro seria levado para Campinas por Vladimir Poleto, ex-assessor do ministro da Fazenda, Antonio Palocci, na prefeitura de Ribeirão Preto, acondicionado em três caixas de bebida.

Em Campinas, o dinheiro seria apanhado no Aeroporto de Viracopos por Ralf Barquete (que morreu de câncer em 2004), também ex-assessor de Palocci em Ribeirão. De lá, Barquete levaria o dinheiro para o comitê de Lula na Vila Mariana, em São Paulo, para o então tesoureiro Delúbio Soares.

A reportagem conta com o depoimento do advogado Rogério Buratti, ex-assessor do ministro da Fazenda, que confirma a versão.

Ele disse que foi consultado por Barquete, a pedido de Palocci, sobre como fazer para trazer US$ 3 milhões de Cuba.

Buratti, então, teria sugerido trazer o dinheiro através de doleiros. O advogado, segundo a revista, não teve mais contato com o assunto, mas ficou sabendo que o dinheiro veio.

Poleto teria confessado à revista que ele mesmo transportou o dinheiro de Brasília para Campinas, mas que, na ocasião, não sabia que levava dinheiro.

Segundo a reportagem, ele achava que era bebida e só ficou sabendo depois, por Barquete, que levava dinheiro.

Notícias relacionadas