CPI pedirá quebra de sigilo de Duda Mendonça nos EUA - WSCOM

menu

Brasil & Mundo

21/10/2005


CPI pedirá quebra de sigilo

O presidente da CPI dos Correios, senador Delcídio Amaral (PT-MS), e o deputado Gustavo Fruet (PSDB-PR), integrante da comissão, devem ir, na semana que vem, a Nova York, para pedir à promotoria de justiça a liberação de documentos, com a quebra do sigilo bancário, da conta Dusseldorf, do publicitário Duda Mendonça. Na manhã de hoje, Delcídio se reuniu com o embaixador dos Estados Unidos no Brasil, John Danilovitch, para solicitar que esses dados sejam liberados o mais rápido possível pelas autoridades americanas.

A Düsseldorf é uma empresa offshore de Duda Mendonça que tem sede nas Bahamas e conta na agência do BankBoston em Miami. Em depoimento à CPI, Duda afirmou que recebeu nessa conta R$ 10,5 milhões do empresário Marcos Valério, como pagamento de serviços prestados à campanha do PT em 2002. O Ministério da Justiça e o Ministério Público Federal já pediram formalmente ao governo americano a quebra do sigilo da conta Dusseldorf.

As autoridades americanas alegam, no entanto, que esses documentos não podem ser compartilhados com a CPI. “Fomos ao embaixador americano mostrar que a CPI tem vida curta e, portanto, precisamos de rapidez nas investigações. Entendemos que esses dados podem ser compartilhados”, disse Delcídio. O senador afirmou ainda que a CPI vai ter “muito cuidado em relação ao vazamento desses documentos, até para não repetir o que aconteceu com a CPI do Banestado”.

Segundo Gustavo Fruet, existe um acordo entre Brasil e Estados que permite a divulgação dos dados, com a quebra de sigilo, desde que a CPI chegue a uma conclusão de que houve delito e apresente um relatório final. Delcídio Amaral deve encaminhar, provavelmente ainda hoje, um ofício ao embaixador dos EUA, pedindo que ele interceda junto às autoridades americanas para que a comissão tenha acesso aos dados da conta de Duda Mendonça.

Notícias relacionadas