CPI pede agendas encontradas com empresário preso em Campinas - WSCOM

menu

Brasil & Mundo

03/08/2005


CPI pede agendas encontradas com

A CPI dos Correios requisitou à Polícia Civil de Campinas (SP) três agendas e duas caixas documentos encontrados no porta-malas do carro do empresário paulista Rubens Adauto de Castro Dourado, preso no último domingo por dirigir embriagado. Nos papéis, constam nomes e telefones de diversos políticos, de empresários e de funcionários de empresas estatais com algumas citações de cifras em dinheiro.

O delegado seccional de Campinas, Marcos Galli Casseb, afirmou que enviará hoje os documentos à CPI atendendo a uma solicitação do deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), sub-relator da comissão parlamentar.

As agendas são dos anos de 2003, 2004 e 2005. No dia 07 de agosto de 2003, por exemplo, há uma anotação de almoço com publicitário Duda Mendonça, às 12h. No mesmo dia há a anotação: “Zé Bernardes quer falar com Zé Dirceu”. Há também relação de nomes de empresas estatais com cifras em dinheiro anotadas na frente.

No dia 20 de setembro de 2003, há a anotação: “Furnas, Eletronorte, Eletrobrás, 800.000.00, 4% = 320.000.00”. Há também o celular de deputados, como o deputado federal José Janene (PP-PR), por exemplo. O empresário disse à polícia que sua atividade é procurar empresas e oferecer a elas propostas de cadastramento para participarem de concorrências em licitações públicas.

O empresário foi ouvido na noite de ontem pela polícia e declarou que fazia as anotações nas agendas de nomes de políticos e das cifras em dinheiro com o objetivo de manter-se informado e, assim, poder negociar com integrantes de prefeituras municipais. Ele negou conhecer as pessoas cujos nomes constam em sua agenda.

Dourado foi preso pela Polícia Militar na noite de domingo por dirigir embriagado o seu carro –um Honda Civic, de 1999, de São Paulo. Ele declara ainda morar no bairro de Indianápolis, em São Paulo, e diz estar desempregado há quatro anos. “É estranho ele dizer estar desempregado e, ao mesmo, ter um Honda e morar em Indianápolis”, disse o delegado.

No domingo, após ser detido, ele foi levado ao 4º Distrito Policial de Campinas, onde a polícia constatou a existência de um mandato de prisão em seu nome –expedido em abril de 2004 –no qual é acusado de não quitar dívidas da compra de uma máquina agrícola.

O empresário está preso na cadeia de Hortolândia (SP) à disposição da Justiça. Até o fim da tarde de ontem, ele não havia constituído advogado. Para o seccional, cabe à CPI investigar a importância da documentação.

Notícias relacionadas