CPI dos Correios irá sugerir cassação de deputados em 10 dias - WSCOM

menu

Brasil & Mundo

06/08/2005


CPI dos Correios irá sugerir

A CPI dos Correios decidiu produzir relatórios parciais para dinamizar a conclusão das investigações e deve sugerir, em dez dias, a abertura de processo disciplinar contra parlamentares cujas provas já justificariam a cassação. Até agora, foram citados no inquérito, direta ou indiretamente, 18 deputados e senadores.

Questionado se já haveria elementos para concluir que o deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) comandava um esquema de corrupção nos Correios, dado que exigiria sua inclusão na lista oficial de acusados, o relator da comissão, Osmar Serraglio (PMDB-PR) foi evasivo.

“Eu até poderia dizer que tenho convicção, mas não acho adequado. Essa decisão não é por monólogo e eu não quero construir nada que não seja resultado do diálogo”, disse Serraglio a jornalistas em entrevista coletiva dada por integrantes da CPI.

A CPI dos Correios foi criada para investigar um suposto esquema de propinas depois que o ex-chefe de departamento da estatal foi flagrado em um vídeo recebendo dinheiro e envolvendo Jefferson na situação.

No caso daqueles sob suspeita de quebra de decoro, mas cujas provas ainda não sejam contundentes, a CPI irá encaminhar o inquérito à CPI do Mensalão, para que esta instância elabore suas próprias conclusões.

“Os parlamentares contra os quais temos apenas indícios, vamos encaminhar para a CPI do Mensalão”, afirmou Serraglio, que não especificou o que considera prova.

Os membros da CPI vão solicitar que os presidentes dos partidos subscrevam a lista de pedidos de cassação para agilizar o processo disciplinar contra os citados. A forma mais rápida de interromper o mandato de um parlamentar e torná-lo inelegível por oito anos é fazer a acusação formal direto ao Conselho de Ética, última instância para esses casos, mas isso só é possível quando o pedido é feito via partido.

Outra medida adotada para acelerar as investigações é a descentralização dos trabalhos em diferentes linhas de atuação. Para isso, a comissão designou quatro sub-relatores: o deputado José Eduardo Cardozo (PT-SP) será responsável pela análise dos contratos; deputado Gustavo Fruet (PSDB-PR), analisará a movimentação financeira; deputado Carlos Abicalil (PT-MT) ficará encarregado dos depoimentos; e o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) controlará o fluxo e a distribuição interna dos documentos secretos.

Em dois meses de atividade, a CPI dos Correios quebrou sigilos bancário, telefônico e fiscal de 18 empresas e 19 pessoas, trabalhou 158 horas e já realizou 21 depoimentos.

Na próxima semana, Fruet visitará o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) para coletar informações sobre eventuais remessas de recursos feitas pelo empresário Marcos Valério Fernandes de Souza –que se transformou no principal personagem da CPI, acusado de ser operador do suposto “mensalão”– aos Estados Unidos, Uruguai e Ilhas Cayman.

Apelido

Preocupado com a denominação pejorativa de CPI do Mensalão, o deputado Osmar Serraglio batizou as investigações sobre a compra de votos na Câmara de “CPI do Suborno”, defendendo ser um apelido de efeitos menos negativos. Alguns parlamentares, no entanto, não concordaram com a iniciativa do colega. Para eles, a tentativa de eufemismo ficou ainda pior.

Notícias relacionadas