Costa Neto diz que 2º turno de Lula usou dinheiro de caixa 2 - WSCOM

menu

Brasil & Mundo

23/08/2005


Costa Neto diz que 2º

O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, afirmou nesta terça-feira à CPI do Mensalão que empregou os R$ 6,5 milhões de recursos de caixa dois recebidos pelo PL no segundo turno da campanha presidencial de 2002. “O PL não viu um único tostão deste dinheiro. Ele foi totalmente empregado na campanha do presidente Lula.”

Costa Neto fez questão de frisar que recebeu todos os recursos não contabilizados pelo PT como pessoa física e afirmou que jamais passou dinheiro para o seu partido. Em seu depoimento, o presidente do PL informou que somente R$ 1,7 milhão dos R$ 6,5 milhões foram contabilizado. “O resto foi entregue sem qualquer comprovante.”

De acordo com o depoimento de Costa Neto, ele recebeu três cheques da empresa SMPB, destinados à Empresa Guaranhuns, que eram pegos pelo tesoureiro do seu partido, Jacinto Lamas, em Belo Horizonte, e entregues a ele em São Paulo. Os envelopes eram entregues lacrados e um representante do PT, a pedido de Delúbio Soares (ex-tesoureiro petista), que trocava o cheque para a Guaranhuns por dinheiro vivo. “No total, os três cheques somaram R$ 1,2 milhão.”

Indagado se estava ou não preocupado com a origem do dinheiro recebido, Costa Neto disse que não conhecia a empresa Guaranhuns e nem se preocupou em saber nada sobre ela. “Só disse que não queria receber dinheiro em cheques.”

O deputado Paulo Baltazar (PSB-RJ) perguntou ainda a Costa Neto se ele sabia que 99% do capital da Guaranhuns pertence a uma trading uruguaia que seria ligada a um traficante de drogas do México. A resposta do presidente do PL foi negativa. “Eu sempre pensei que o dinheiro do PT tivesse origem. O pessoal do PT é um pessoal muito sério.”

Sobre os recursos recebidos junto à SMPB, Costa Neto informou que não sabia quanto dinheiro iria receber em cada saque. Segundo ele, o tesoureiro Jacinto Lamas tinha a incumbência de buscar os envelopes, sem abri-los e sem saber o que eles continham. Ao todo, Jacinto Lamas foi sacar recursos na empresa por dez vezes, de acordo com os cálculos de Costa Neto.

Notícias relacionadas