Coréia do Sul bate Togo e mantém animação da Copa de 2002 - WSCOM

menu

Mais Esporte

13/06/2006


Coréia do Sul bate Togo

A Coréia do Sul enfrentou o Togo nesta terça-feira e venceu a equipe africana por 2 a 1. A equipe sul-coreana, que disputa na Alemanha seu sétimo Mundial, não chegou a repetir o futebol da Copa de 2002, quando a seleção asiática ficou em 4º lugar, mas contou com os gols de Chun-Soo e de Ahn para vencer seu jogo de estréia no Mundial da Alemanha e manter a animação que marcou a campanha da Copa passada.

Ao conquistar seus três primeiros pontos, os coreanos largaram na frente da Suíça e do Togo na disputa da segunda vaga do grupo G para as oitavas-de-final. A favorita para o 1º lugar é a França, que enfrenta os suíços nesta terça às 13h.

Foi a quarta derrota de equipes africanas no torneio. Antes, Costa do Marfim, Angola e Gana haviam sido derrotadas, respectivamente por Argentina, Portugal e Itália.

O técnico holandês Dick Advocaat surpreendeu e escalou no ataque Cho Jae-Jin e Lee Chun-Soo, deixando de fora Ahn e Seol, que tiveram papel central na campanha que levou a equipe às semifinais do Mundial passado.

Na equipe do Togo a grande novidade foi a presença do treinador Otto Pfister no banco. O técnico alemão havia abandonado o comando da seleção na sexta-feira, diante do conflito em torno da definição da premiação que os jogadores receberiam na disputa do Mundial. Diante dos intensos pedidos de jogadores e dirigentes, Pfister reviu sua decisão e voltou ao cargo.

O meia Dossevi, um dos atletas que mais se expuseram na crise, foi deixado no banco. Já o astro do time, o atacante Adebayor, artilheiro das eliminatórias africanas com 11 gols, jogou, mas não se destacou.

Nos primeiros minutos do jogo, a Coréia do Sul dominou as ações, com Togo demonstrando um nervosismo até natural no jogo que marcou sua estréia na história das Copas. Nas eliminatórias, a equipe togolesa deixou para trás Guiné Equatorial, Zâmbia, Congo, Mali, Libéria e Senegal – que ficou em 2º lugar na disputa e havia chegado às quartas-de-final do Mundial de 2002.

O primeiro tempo teve o domínio dos sul-coreanos, que, embora tenham mantido a posse de bola no ataque, levaram pouco perigo ao gol de Agassa. Os togoleses, por sua vez, abusavam da violência, e Abalo e Romao foram advertidos com o cartão amarelo ainda antes dos 25min de jogo.

O domínio infrutífero da Coréia do Sul recebeu um duro golpe aos 30min, quando o atacante Kader recebeu lançamento nas costas da zaga sul-coreana, deixou os marcadores para trás na corrida e bateu cruzado na saída do goleiro Woon-jae, marcando o primeiro gol do Togo em uma Copa.

Durante o restante da etapa inicial, os sul-coreanos correram atrás do empate, quase obtido em uma cobrança de escanteio, aos 37min. Choi desviou de cabeça na direção certeira do gol, mas a bola acabou sendo rebatida pela zaga. A melhor chance de gol após o 1 a 0, no entanto, foi do Togo. Aos 41min, o goleiro sul-coreano Woon-jae evitou o segundo gol dos africanos ao defender falta bem batida pelo meia Senaya, que o arqueiro espalmou para escanteio.

Coréia mais ofensiva

Com a desvantagem no marcador, o técnico Advocaat optou por trocar o zagueiro Jin-Kyu pelo atacante Ahn no intervalo. A alteração criou dificuldades imediatas para a zaga do Togo e os sul-coreanos chegaram logo ao empate, em cobrança de falta de Lee Chun-Soo.

Aos 7min, o capitão Abalo foi expulso, ao fazer falta forte em Park Ji-Sung, do Manchester United, na entrada da área. Lee Chun-Soo cobrou muito bem, no canto alto direito da meta africana, marcando o gol de empate da Coréia. O atacante, que conta com visual extravagante de cabelos loiros repicados e foi eleito o mais feio da Copa em enquete realizada antes do Mundial pelo UOL Esporte contou com a colaboração do goleiro togolês, que não fez maiores esforços para tentar defender a cobrança.

Nos minutos seguintes, a Coréia do Sul passou a pressionar intensamente o adversário, que trocou o meia Yao Senaya pelo defensor Assimiou e conseguiu equilibrar as ações e até criar boas chances no jogo após a mudança.

Aos 26min da etapa final, porém, o atacante Ahn virou o jogo para a Coréia, em forte chute de fora da área. Na Copa de 2002, o jogador havia sido decisivo em um dos jogos mais dramáticos do Mundial. Ahn marcou o gol que eliminou, aos 12min do 2º tempo da prorrogação, os italianos nas oitavas-de-final do torneio. Com o gol diante do Togo, Ahn, também chamado de “Senhor dos Anéis”, se tornou o primeiro jogador da Ásia na história dos Mundiais a marcar três gols em jogos da Copa.

Nos minutos finais, Togo se mostrou sem forças para reagir, ao passo que a Coréia do Sul demonstrou estar mais que satisfeita com a virada e com sua 4ª vitória na história das Copas.