Consumo de energia elétrica no Brasil aumenta 3,9% até abril - WSCOM

menu

Economia & Negócios

20/06/2006


Consumo de energia elétrica no

O consumo de energia elétrica entre consumidores livres e cativos do país aumentou 3,9% nos primeiros quatros meses deste ano em relação a igual intervalo de 2005, atingindo 115.577 GWh (gigawatts-hora), segundo dados divulgados hoje pela EPE (Empresa de Pesquisa Energética).

O resultado mostra uma desaceleração no crescimento do consumo em relação ao acumulado do primeiro trimestre deste ano, que apontou aumento de 4,5%.

De acordo com a EPE, a análise do desempenho do mercado no acumulado do ano deve levar em conta dois fatores. O primeiro deles é o menor número de dias úteis em abril –foram 18 dias neste mês contra 20 em abril de 2005–, o que afetou especialmente o consumo industrial, comercial e do setor público. O segundo é o registro de temperaturas predominantemente mais baixas nas capitais, fator que influencia principalmente os consumos residencial e comercial.

Considerando somente o mês de abril, houve um aumento de 1,9% no consumo de energia sobre igual período do ano anterior, para 29.063 GWh.

“Estes percentuais caracterizam uma redução significativa do nível de crescimento, na medida em que em fevereiro e março haviam sido registradas taxas no patamar de 5% e 6%, respectivamente”, divulgou.

O maior crescimento no consumo foi do segmento comercial, de 3%. Esse percentual, entretanto, é bem inferior ao verificado nos dois últimos meses: 10,4% e 7,1% em fevereiro e março últimos, respectivamente.

O consumo comercial, que somou 4.818 GWh, representou 16,6% do fornecimento total em abril.

A classe residencial, com 24,8% do mercado e consumo de 7.217 GWh, apresentou elevação de apenas 1,1% contra abril do ano passado e retração de 2,3% sobre março último. A indústria, que representou 44% do mercado nacional no mês em conseqüência do consumo total de 12.795 GWh, registrou expansão de 2,1% sobre abril de 2005 e decréscimo de 1,7% ante março, em razão dos dois dias úteis a menos em abril deste ano.