Conselho de Ética abre novo processo contra Roberto Jefferson - WSCOM

menu

Brasil & Mundo

10/08/2005


Conselho de Ética abre novo

O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados abriu um novo processo de cassação do mandato do deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) por quebra de decoro parlamentar. O requerimento, apresentado na semana passada pela presidência do PL, pede investigação sobre supostos crimes de ocultação de cargas roubadas.

A acusação foi feita com base em gravações feitas pela Polícia Federal que investiga denúncias de corrupção na Polícia Rodoviária Federal do Rio de Janeiro. Em uma das gravações o Jefferson foi apontado como o responsável pela contratação do policial acusado de roubo de carga.

Segundo o presidente do Conselho de Ética, deputado Ricardo Izar (PTB-SP), foi aberto um segundo processo porque as acusações são “totalmente diferentes” em relação às já em análise no Conselho.

Izar explicou que para este novo processo será indicado um novo relator, que provavelmente será o deputado Jairo Carneiro (PFL-BA), que já relata o processo anterior movido contra Jefferson, também pela presidência do PL. Neste processo Jefferson está sob investigação por ter denunciado o “mensalão” sem apresentação de provas.

Jefferson terá direito a apresentar nova defesa prévia e tem o prazo de cinco sessões ordinárias para entregar a defesa e indicar as novas testemunhas a seu favor para depor no Conselho.

Trajetória

Os processos contra Jefferson têm origem no “marco zero” da maior crise política da gestão Lula e do próprio PT em seus 25 anos. Em entrevista à Folha de S.Paulo, no dia 6 de junho, o deputado acusou o então tesoureiro do PT Delúbio Soares de pagar um “mensalão” de R$ 30 mil a deputados do PL e do PP em troca de apoio no Congresso.

A denúncia foi somente a primeira de uma longa sequência, que abrangeu ainda a estatal Furnas e teve, recentemente, uma conexão internacional, com o envolvimento de grandes empresas portuguesas do setor financeiro e de telecomunicações.

Em nenhuma dessas denúncias, Jefferson apresentou provas materiais. A seu favor, no entanto, pesam as investigações da Polícia Federal, do Ministério Público e da CPI dos Correios, que trouxeram à tona um esquema milionário de distribuição de recursos a parlamentares com “recursos não contabilizados”.

Os processos no Conselho, no entanto, não dão conta do que talvez seja a principal motivação política de Jefferson: seu suposto envolvimento com as denúncias de corrupção nos Correios, que não foram objeto de requerimento na Câmara.

Notícias relacionadas