Coalizão faz 450 operações após morte de Zarqawi - WSCOM

menu

Internacional

15/06/2006


Coalizão faz 450 operações após

Os Estados Unidos afirmam que forças da coalizão liderada pelo país no Iraque realizaram mais de 450 operações de busca desde a morte, na semana passada, do líder da Al-Qaeda no Iraque, Abu Musab Al-Zarqawi.

Nas ações, 104 insurgentes morreram e 759 “elementos anti-iraquianos” foram capturados, disse um porta-voz militar americano em Bagdá, General William Caldwell.

Segundo ele, as operações após a morte de Zarquawi em um ataque aréreo ao norte da capital se realizaram em várias partes do país.

Vinte e oito depósitos de armas foram encontrados pelas forças do Iraque e Estados Unidos, disse Caldwell.

“A remoção da ameaça pessoal de Zarqawi desarticulou outras redes da Al-Qaeda, forçando os terroristas a reformularem sua liderança, desalojando-os de seus alojamentos.”

Ele disse que as forças de segurança iraquianas agora podem começar “a estabelecer os fundamentos para união, segurança e prosperidade para o povo do Iraque”.

“Começo do fim”

Documentos encontrados depois da morte de Zarqawi trouxeram pistas vitais e este pode ser “o começo do fim” para a Al-Qaeda no Iraque, afirmou o assessor de segurança nacional do Iraque, Mowaffaq Al-Rubaie.

Segundo ele, um disco-rígido portátil, um laptop e documentos foram encontrados nos escombros da casa onde estava Zarqawi.

Eles revelaram nomes e localização de outros líderes da Al-Qaeda no Iraque, afirmou Al-Rubaie, e as operações que se seguiram recolheram ainda mais informações.

Um dos documentos mostraram que Zarqawi estava planejando tentar começar uma guerra entre os Estados Unidos e o Irã ao realizar ataques falsamente atribuídos aos iranianos. Os alvos seriam interesses americanos, disse o escritório do primeiro-ministro iraquiano.

Novo chefe

Os Estados Unidos afirmam que identificaram o novo chefe da al-Qaeda, Abu Ayyub Al-Masri, e que ele continuará a luta da organização.

Em um website da Al-Qaeda, o nome que aparece como chefe do grupo é Abu Hamza Al-Muhajir, mas os Estados Unidos acreditam que se trata do mesmo homem, e divulgaram sua foto.

O Pentágono anunciou ainda que a morte de um fuzileiro elevou o número de soldados americanos mortos no Iraque para 2,5 mil.