Cidade líbia de Misrata tem combates neste domingo, segundo agências - WSCOM

menu

Internacional

24/04/2011


Cidade líbia de Misrata tem combates

Conflitos

Foto: autor desconhecido.

A cidade líbia de Misrata tem confrontos entre forças leais a Muammar Kadhafi e rebeldes neste domingo (24), segundo informações das agências de notícias AFP e Reuters. O conflito ocorre após confrontos no sábado (23), que deixaram número incerto de mortos. Rebeldes disseram ter tomado o poder da cidade no sábado.

A cidade líbia de Misrata tem confrontos entre forças leais a Muammar Kadhafi e rebeldes neste domingo (24), segundo informações das agências de notícias AFP e Reuters. O conflito ocorre após confrontos no sábado (23), que deixaram número incerto de mortos. Rebeldes disseram ter tomado o poder da cidade no sábado.

“A situação é muito perigosa”, disse o porta-voz rebelde Abdelsalam por telefone, segundo a Reuters. “Brigada de Kadhafi começaram a fazer bombardeios nas primeiras horas da manhã. Os bombardeios continuam. O alvo deles é o centro da cidade, principalmente a Rua Trípoli, e três áreas residenciais.”

A cidade registrou no sábado “o balanço mais grave em 65 dias de combates”, , segundo relato do médico Jalid Abu Falra à AFP, que fala em ao menos 28 mortos e centenas de feridos.

O vice-ministro líbio de Relações Exteriores, Jaled Kaaim, disse na noite de sábado que as forças armadas do regime haviam suspendido suas operações em Misrata para permitir que as tribos buscassem uma solução pacífica para o problema.

No entanto, nas primeiras horas do domingo, era possível ouvir disparos quase ininterruptos de armas automáticas na cidade, segundo jornalista da AFP que estão no local.

Um jornalista francês cuja identidade no foi divulgada foi ferido gravemente na noite de sábado, mas estava fora de perigo depois de ser operado, segundo informações de fontes médicas dadas à agência.

Os rebeldes confirmaram a presença de combatentes tribais nas tropas de Kadhafi. “Algumas vezes combatemos contra homens uniformizados do exército e às vezes contra homens civil. Agora há combatentes tribais procedentes do sul”, disse o rebelde Omar Rajab, de 29 anos, à AFP.

De acordo com os rebeldes, ainda há combatentes das forças de Kadhafi em um antigo hospital público. “É o último reduto que defendem, mas ainda resistem”, disse o médico Hakim Zaggut.

Notícias relacionadas