Cerco à Rocinha deve mobilizar 950 militares e 10 blindados - WSCOM

menu

Brasil & Mundo

22/09/2017


Cerco à Rocinha mobilizará 950 militares

SEGUNDO MINISTRO

Foto: autor desconhecido.

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou nesta sexta-feira (22) no Palácio do Planalto, depois de uma reunião com o presidente Michel Temer, que 950 homens das Forças Armadas – dos quais 700 da Polícia do Exército – e pelo menos dez blindados vão participar a partir das 15h do cerco à favela da Rocinha, no Rio de Janeiro.

Ele deu a informação pelo Twiiter depois de uma entrevista coletiva na qual tinha anunciado inicialmente 700 homens da Polícia do Exército.

Na manhã desta sexta, o Batalhão de Choque da Polícia Militar do Rio fez uma nova operação na Rocinha, a quinta em cinco dias. Houve um intenso tiroteio entre policiais e criminosos. Traficantes fizeram disparos da área de mata da Rocinha contra policiais que cercavam a comunidade.

Jungmann disse que os militares participarão do cerco a fim de liberarem os policiais do Rio possam subir o morro para fazer o enfrentamento com as quadrilhas de traficantes de drogas que dominam a comunidade. "Exército não substitui polícia", afirmou Jungmann.

De acordo com o ministros, a partir "das 15h, 15h30", os homens estariam se deslocando das suas unidades militares para realizar esse cerco”, disse.

Segundo o ministro, estão no Rio de Janeiro aproximadamente 30 mil militares, dos quais 10 mil, operacionalmente, podem ser moblizados, de acordo com a necessidade. "Neste momento, por se tratar de uma demanda de urgência, você desloca com mais velocidade a Polícia do Exército”, disse.

O pedido para que os militares fosse acionados partiu do governador do Rio, Luiz Fernando Pezão e do secretário de Segurança Pública do estado, Roberto Sá. O secretário afirmou que, desde o último domingo 17, quando a Rocinha foi invadida por criminosos ligados ao traficante Nem, as polícias civil e militar monitoram a situação na comunidade. Ele afirmou que somente nesta sexta foi identificada a necessidade do auxílio das Forças Armadas.

O ministro afirmou que, na reunião com Temer, o presidente “reiterou sua disposição de manter” o apoio das forças federais nas ações que estão em curso, inclusive do ponto de vista orçamentário.

“Até hoje não tivemos nenhuma escassez, não deixou de faltar qualquer recurso para realizar qualquer operação no Rio de Janeiro”, disse Jungmann.
 

Notícias relacionadas