Cássio vota contra e critica fundo público de financiamento de campanhas - WSCOM

menu

Política

27/09/2017


Cássio critica financiamento de campanha

'FUNDO PÚBLICO'

Foto: autor desconhecido.

O plenário do Senado aprovou, em votação simbólica, o projeto de lei que institui o Fundo Especial de Financiamento de Campanha, que poderá valer para as eleições de 2018. A fonte de recursos virá de 30% do total das emendas parlamentares de bancada. O projeto segue agora para análise da Câmara dos Deputados.

Para o senadro Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), o debate deveria ser como baratear as campanhas e não como financiá-las com recursos públicos. “Votei contra a criação do Fundo Público para financiar campanhas eleitorais. Dinheiro público tem que ir para a saúde, educação, segurança… ”, afirmou o tucano.

Saiba mais – Como se tratava de um substitutivo, o projeto foi aprovado em dois turnos pelos senadores. O texto aprovado em plenário estabelece que as campanhas eleitorais serão financiadas por parte do valor destinado às emendas em anos eleitorais. Além disso, o fundo eleitoral será composto pela compensação da propaganda eleitoral gratuita nas emissoras de rádio e televisão, que serão reduzidas. Com isso, as emissoras terão que pagar impostos que antes eram isentos em razão da veiculação das propagandas.

A votação do projeto, que foi relatado pelo senador Armando Monteiro (PTB-PE), gerou polêmica entre os parlamentares. Parte do plenário defendia o texto original do projeto do senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), que utilizava como fonte do fundo apenas o dinheiro arrecadado com o fim de todas as propagandas eleitorais e partidárias. Como os meios de comunicação recebem atualmente isenção fiscal para veicularem as peças publicitárias, eles voltariam a pagar os impostos, que seriam repassados ao fundo. De acordo com Caiado, o repasse seria de cerca de R$ 1,5 bilhão por eleição.

Notícias relacionadas