Cássio critica Temer e cobra recursos para segurança na Paraíba - WSCOM

menu

Política

21/03/2018


Cássio critica Temer e cobra recursos para segurança na Paraíba

Cássio também criticou nesta quarta-feira (21) a demora do presidente na liberação dos recursos destinados a investimentos em segurança pública

Foto: autor desconhecido.

Adversário da gestão do presidente Michel Temer no Congresso Nacional, o senador Cássio Cunha Lima voltou a cobrar de maneira firme ao governo federal a adoção de medidas concretas de combate à violência nos demais Estados, a exemplo da Paraíba, e não apenas no Rio de Janeiro. Cássio também criticou nesta quarta-feira (21) a demora do presidente na liberação dos recursos destinados a investimentos em segurança pública.

“Passado mais de um mês da intervenção no Rio de Janeiro, o Brasil segue aguardando uma política pública que proteja e que garanta a segurança das pessoas em todo o País, e particularmente na Paraíba”, disse Cássio, durante reunião com membros da bancada federal do Estado. “É preciso avançar nos cuidados com as famílias de todos os Estados, como o nosso, que enfrentam um crescimento assustador da violência”, exigiu.

Vice-presidente do Senado, Cássio recebeu pessoalmente em seu gabinete, há quinze dias, o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, para discutir, junto com a bancada federal, a união de esforços em torno de um plano emergencial para conter a criminalidade na Paraíba. “A violência preocupa cada vez mais as famílias paraibanas e a hora é de somar esforços para encontrarmos as soluções para esse problema tão grave, buscar saídas e voltar a sonhar com uma Paraíba tranquila e segura. O momento exige de todos nós posições firmes, mas serenas e sem paixões políticas”, acrescentou Cássio.

O tempo passou e o governo Temer, lamenta o senador, segue lento em relação ao problema. O presidente chegou a prometer a liberação de R$ 42 bilhões para a segurança pública nos Estados, por meio do BNDES, mas a liberação dos recursos ainda nem começou. “O que nos cabe é atitude. Ou o governo age ou teremos uma crise de segurança ainda maior”, afirma.

Notícias relacionadas