Caso FAC: PF, PM e STTrans são mobilizadas para julgamento no TRE - WSCOM

menu

Política

30/07/2007


Caso FAC: PF, PM e



Policiais se aglomeram em frente ao TRE

O secretário geral do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Anésio Lira da Cunha Moreno, informou ao Portal WSCOM Online que as polícias Federal, Militar e a Superintendência de Trânsito e Transportes Públicos (STTrans) serão mobilizadas para reforçar o esquema de segurança durante o julgamento das ações contra o governador Cássio Cunha Lima (PSDB), nesta segunda, 30.

Semana passada o presidente do Tribunal, desembargador Jorge Ribeiro Nóbrega, convocou uma reunião com representantes dos três órgãos para discutir a questão da segurança interna e externa durante o evento, e ficou decidido que a segurança externa será feita pela Polícia Federal (PF) e Militar e o disciplinamento do trânsito caberá a STTrans.

A segurança interna também ficará a cargo da PF e dos seguranças do próprio Tribunal. O secretário disse que o número de efetivos não foi divulgado pelo coronel Lima Irmão ou pela PF, mas a idéia não é fazer um policiamento ostensivo, que impeça o acesso das pessoas, apenas garantir que tudo aconteça de forma pacífica e tranqüila.

A STTrans irá interditar uma das faixas tanto na avenida Pedro I, quanto na Princesa Isabel, justo os lados que dão mais acesso ao TRE. Moreno entende que as ruas só serão inteiramente interditadas se um fluxo muito grande pessoas acorrer ao Tribunal.

Do lado de fora a PM e a PF darão apoio a STTrans para manter a ordem. “Até porque a STTrans não tem essa autonomia para deter e evitar o fluxo de pessoas”, explica. Todo esse aparato deve começar a ser montado a partir do meio dia. O julgamento está marcado para começar as 14h.

Moreno informou ainda que o Tribunal não pretende dar um ar de espetáculo ao julgamento, com instalação de telão e também não será permitida a transmissão ao vivo do julgamento pelas TVs.

“Apesar de sabermos o interesse público, não vamos dar um caráter espetaculoso. Nós esperamos que tudo transcorra normalmente”, torce e lembra: “será um julgamento como tantos outros”.

Notícias relacionadas