Casamento coletivo é realizado em Mangabeira por Tribunal de Justiça com partici - WSCOM

menu

Paraíba

10/03/2006


Casamento coletivo é realizado em

Um casamento coletivo com a participação de 100 casais encerrou o projeto de audiências públicas ‘Justiça para o povo’ realizado pelo Tribunal de Justiça em parceria com a Corregedoria Geral do Estado. O casamento aconteceu no Caic de Mangabeira, às 16h, desta sexta (10).

O projeto teve início na última segunda (6) e com a participação de instituições como a Associação dos Notáveis e Registradores (Anoreg), Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e outros.

O corregedor geral de Justiça da Paraíba, Jorge Ribeiro da Nóbrega, informou que esse tipo de projeto já vem sendo realizado em outros Estados brasileiros e foi adotado agora pela Paraíba. “Começamos a executar a realização de audiência pública aqui em João Pessoa, através das corregedorias gerais de justiça que já vêm realizando em todo Brasil. Nós pensamos primeiro na capital e escolhemos Mangabeira por ser o bairro mais populoso”, disse.

Ele afirmou ainda que o projeto tem caráter permanente e será realizado em outras cidades paraibanas. “Vamos realizar esse evento por todo tempo, teremos em bairros da capital, além de Campina Grande e em todo o Estado da Paraíba. É um projeto permanente, mesmo que nosso período termine na Corregedoria, mas outro colega que venha a me substituir deve continuar o projeto”, enfatizou.

Segundo o juiz Herbert Lisboa, coordenador dos trabalhos, em uma semana, mais de 3.500 pessoas foram atendidas com serviços licenciais, como a emissão de diversos documentos. “Esse projeto é de um alcance social extraordinário. A gente tem que buscar o desencastela mento da justiça, procurar se aproximar mais do povo e foi o que o Tribunal e a Corregedoria da Justiça fizeram neste projeto desde segunda com atendimentos a 3.554 pessoas”.

O presidente da Anoreg, Germano Toscano de Brito, relatou sobre a relevância do projeto. “Essa vinda da justiça para o povo é uma coisa muito salutar que deve ser exercitada mais vezes para que se preste esse serviço monumental. É uma ação meritória que deve ser respeitada e ajudada como a Anoreg tem feito com prazer”, disse.

O presidente do TRE, Abraham Lincoln, mostrou-se satisfeito com os serviços que foram oferecidos à comunidade. “A justiça termo justiça hoje está muito ligado apenas a processos, mas justiça é oportunidade aos desvalidos e menos abastados de terem exercício pleno a cidadania através de eventos como este”, relatou.

Notícias relacionadas