Carpinteiro morre vítima de malária em Campona Grande - WSCOM

menu

Economia & Negócios

10/05/2008


Carpinteiro morre vítima de malária

A 3ª Gerência Regional de Saúde do Estado confirmou, na tarde de ontem, que o carpinteiro Fernando Lutz de Castro Pinto, 36 anos, que residia no bairro do Catolé, em Campina Grande, morreu vítima de malária. Ele faleceu na última terça-feira, na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital da Clipsi. A vítima havia chegado de Angola no último dia 19, onde trabalhava para a empresa Queiroz Galvão. A suspeita é que ele tenha sido contaminado naquele país, que é considerado uma área endêmica da doença.

Conforme relato da esposa do carpinteiro, a artesã Luciana Fernandes, 30, desde o dia em que chegou ao Brasil, Fernando Lutz apresentava muita dor de cabeça e vômitos constantes. Ele chegou a ser atendido por três médicos e todos eles teriam diagnosticado virose. Somente na última segunda-feira, a equipe médica teria constatado os sintomas de malária e requisitado o exame.

Luciana Fernandes acredita que o esposo tenha sido contaminado em Angola. Ela ressaltou que o carpinteiro se queixava das péssimas condições dos alojamentos onde estava hospedado.

“Ele esteve doente por duas vezes, com sintomas de infecção intestinal e após fazer alguns exames requisitados pelo médico da empresa, ele teria sido demitido sem justa causa”, denunciou a artesã. Ela ameaçou entrar com uma ação na Justiça contra a empresa Queiroz Galvão. Segundo Luciana, o carpinteiro teria ido para Angola no dia 18 de março, com o intuito de passar seis meses trabalhando para a construtora.

A coordenadora de Vigilância Ambiental, Viviane Hermínio confirmou a morte por malária e informou que na Paraíba são registrados, em média, cinco casos da doença anualmente. Ela destacou que todos os casos são provenientes de outras regiões do país. “A população deve ficar tranqüila, pois a Paraíba não é considerada uma área endêmica para a malária”, disse a gerente.

Viviane orienta que as pessoas que chegarem de áreas de risco da malária e apresentarem qualquer sintoma da doença devem ser encaminhada imediatamente à sede da 3ª Regional de Saúde ou ao Hospital Universitário Alcides Carneiro, que é o mais indicado para tratamento da doença.

A reportagem do Diário da Borborema entrou em contato com a Construtora Queiroz Galvão e através de sua assessoria de imprensa, a empresa informou que ao desembarcar no Rio de Janeiro, o carpinteiro teria se submetido a exames e não foi constatado que ele estava com malária.

A empresa irá se pronunciar sobre o fato perante a Justiça, caso os familiares de Fernando Lutz decidam entrar com uma ação contra a Queiroz Galvão. O corpo do carpinteiro foi sepultado na quinta-feira.

Doença

Malária ou paludismo, entre outras designações, é uma doença infecciosa aguda ou crônica, causada por protozoários parasitas do gênero Plasmodium, transmitidos pela picada do msquito Anopheles.

A malária mata 3 milhões de pessoas por ano, uma taxa só comparável à da Aids, e afeta mais de 500 milhões de pessoas todos os anos. É a principal parasitose tropical e uma das mais freqüentes causas de morte em crianças nesses países (mata um milhão de crianças com menos de 5 anos a cada ano).

Segundo a OMS, a malária mata uma criança africana a cada 30 segundos, e muitas crianças que sobrevivem a casos severos sofrem danos cerebrais graves e têm dificuldades de aprendizagem.

A malária é transmitida pela picada das fêmeas de mosquitos do gênero Anopheles. A transmissão geralmente ocorre em regiões rurais e semi-rurais, mas pode ocorrer em áreas urbanas, principalmente em periferias. Em cidades situadas em locais cuja altitude seja superior a 1500 metros, no entanto, o risco de aquisição de malária é pequeno.

Os mosquitos têm maior atividade durante o período da noite, do crepúsculo ao amanhecer. Contaminam-se ao picar os portadores da doença, tornando-se o principal vetor de transmissão desta para outras pessoas. O risco maior de aquisição de malária é no interior das habitações, embora a transmissão também possa ocorrer ao ar livre.início

Notícias relacionadas