Canais Esporte Interativo saem da TV paga e viram apps - WSCOM

menu

Esporte

09/08/2018


Canais Esporte Interativo saem da TV paga e viram apps

Foto: autor desconhecido.

Os canais Esporte Interativo serão desativados pela Turner e jogos da Champions League e até alguns do Campeonato Brasileiro da temporada 2019 serão transmitidos nas TVs por assinatura brasileiras pelos canais TNT e Space. O modelo que está sendo implementado no Brasil é semelhante ao praticado pela Turner nos EUA, onde a empresa tem forte atuação em esportes, mas sem um canal dedicado, e sim distribuindo os eventos em canais e horários específicos, como informou a agência Tela Viva.

A programação do canal do Esporte Interativo hoje distribuída na banda C do satélite, de forma aberta, também será interrompida, assim como o Esporte Interativo BR, transmitido em canais de TV aberta em Cuiabá, interior de São Paulo, Maranhão e Espírito Santo. As mudanças, contudo, não significam o fim da marca Esporte Interativo, que será mantida e ampliada nas plataformas digitais e no EI Plus, plataforma OTT do canal, bem como nas transmissões nos outros canais.

A programação do canal do Esporte Interativo hoje distribuída na banda C do satélite, de forma aberta, também será interrompida, assim como o Esporte Interativo BR, transmitido em canais de TV aberta em Cuiabá, interior de São Paulo, Maranhão e Espírito Santo. As mudanças, contudo, não significam o fim da marca Esporte Interativo, que será mantida e ampliada nas plataformas digitais e no EI Plus, plataforma OTT do canal, bem como nas transmissões nos outros canais.

Com cerca de 300 colaboradores, o quadro será drasticamente reduzido para 120 pessoas, sendo que alguns profissionais podem ser aproveitados em outros canais da Turner. Os canais lineares do EI passam a transmitir sua programação em looping (reprises) e ficarão assim por 30 dias até saírem do ar definitivamente.

A Turner é sócia do Esporte Interativo desde 2013, quando adquiriu 20%, em um investimento estimado na época em R$ 80 milhões, e assumiu definitivamente o controle em 2015, numa operação estimada, na ocasião, em cerca de US$ 150 milhões, ou R$ 400 milhões.

“Infelizmente, o mercado brasileiro de TV por assinatura tem perdido base nos últimos três anos e os sinais de recuperação ainda são tímidos. Some-se a isso o elevado custo dos direitos esportivos, a forte retração no mercado publicitário e o custo de manter dois canais no ar”, disse Antônio Barreto, gerente geral da Turner para o Brasil, ao Tela Viva. “Avaliamos que esse era o melhor momento de fazer a mudança, reduzir os custos e a adotar uma nova abordagem na exibição dos eventos.”

Tanto a Champions League quanto o Brasileiro terão um alcance até maior, uma vez que a base de distribuição do TNT (14 milhões de assinantes) e do Space (12 milhões) é bem maior do que a dos canais Esporte Interativo, que estão nos pacotes mais caros das TVs por assinatura brasileiras.

Terra

Notícias relacionadas