Câmara do TJ realiza conciliação inédita em julgamento - WSCOM

menu

Paraíba

31/10/2005


Câmara do TJ realiza conciliação

O Tribunal de Justiça (TJ) do Estado realizou audiência inédita de conciliação na tarde desta segunda-feira(31), primeira em nível de segunda entrância já realizada na Paraíba. A audiência não somente terminou bem sucedida, como também desacumulou três processos que tramitavam no judiciário do Estado, um deles na Terceira Câmara Cível e dois outros na 6ª Vara Cível da Comarca de Campina Grande.

“Além de estarmos diante de um fato inédito, ainda terminamos comemorando o exito da audiência”, afirmou o desembargador Júlio Paulo Neto, relator do processo que foi movido pelo Unibanco cobrando, da empresa Frutasul, a quantia de 700 mil reais referente a juros de um empréstimo.

A empresa se negava a pagar porque achava que os juros estavam muito altos.

Na audiência, que durou pouco mais de uma hora, os advogados Odilon de Lima Fernandes e Graziela Santos da Cunha (representando o Unibanco) e Thélio Farias e Luciano Araújo Ramos (representando a empresa) conseguiram chegar a um acordo, com a Frutasul se responsabilizando pelo pagamento de 290 mil reais e dentro de um prazo de 10 dias.

A demanda jurídica envolvendo o Unibanco e a Frutasul já rolava no Judiciário paraibano há pelo menos 10 anos – ela começou em 1995 -, sendo que somente o processo que estava tramitando na Terceira Câmara Cível já se constituía um calhamaço com sete volumes.

Além deste, mais dois processos conexos tramitavam também na 6ª Vara Cível de Campina Grande. “Com essa audiência e com esse acordo, acabou tudo porque os processos deixam de existir”, comemorou, ao final da audiência, o desembargador-relator, Júlio Paulo Neto, ao lembrar que, além de inédito na Paraíba e talvez no Nordeste, esse tipo de audiência só tem outros registros em alguns poucos Tribunais Federais.

Júlio Paulo Neto elogiou a postura, o comportamento e a vontade de solução que os advogados de ambas as partes levaram para a audiência e lembrou que, com isso, juntamente com o Tribunal de Justiça da Paraíba, ambas as partes puderam contribuir para que tudo isso servisse de exemplo para outros segmentos do Judiciário ou que a ele recorrem.

Graziela Santos da Cunha, que veio de São Paulo e defendeu o Unibanco ao lado de Odilon de Lima Fernandes, terminou o acordo parabenizando o Tribunal de Justiça e comentando que o acordo ainda é a melhor forma de se buscar soluções de problemas na Justiça. “Tomara que esse exemplo chegue e se consolide em outros Tribunais”, completou ela.

Notícias relacionadas