Câmara de João Pessoa lembra 60 anos da Cândida Vargas - WSCOM

menu

Política

15/08/2005


Câmara de João Pessoa lembra

A Câmara Municipal de João Pessoa realizará nesta terça-feira, 16, às 15h30, uma Sessão Especial em homenagem aos 60 anos do Insituto Cândida Vargas (ICV). A iniciativa é dos vereadores Luciano Cartaxo e Luis Flávio Paiva.

Durante a Sessão, serão homenageadas personalidades que contribuíram para o sucesso do ICV e da saúde na Paraíba, entre anestesiologistas, obstetras, cardiologistas, pediatras, enfermeiras, administradores e costureiras.

“O ICV tem uma longa história de serviços prestados à sociedade paraibana. O mais importante é que continua em constante desenvolvimento, proporcionando uma qualidade de atendimento cada vez melhor e a um maior número de pessoas. O Instituto tem todos os méritos para ser considerado o maior complexo materno-infantil do Estado e todos os profissionais que contribuem, ou contribuíram, para essa conquista merecem nossa homenagem”, comentou o vereador Luciano Cartaxo.

Ele revelou que o Instituto realiza uma média de 5.340 atendimentos ambulatoriais por mês, além de 805 internamentos. “Os nossos mandatos estarão sempre dispostos a participar dessa história, contribuindo como for possível para o crescimento desse patrimônio” afirma Cartaxo.

O Instituto Cândida Vargas foi o primeiro estabelecimento, na Paraíba, a implantar um Banco de Sangue e um Banco de Leite Humano, além de inaugurar o serviço de Colposcopia na cidade. Em 1999, o Instituto introduziu o método “Mãe Canguru”, em que o bebê prematuro recebe o calor materno, substituindo as incubadoras, ficando em permanente contato com a mãe até receber alta da equipe médica.

Hoje, o ICV conta ainda com um laboratório de análises clínicas, serviços de nutrição, odontologia, imunização, fonoaudiologia, fisioterapia, atendimento psicológico, farmácia hospitalar, planejamento familiar, ultrassonografia, entre outros.

A instituição possui 149 leitos, sendo sete leitos da UTI Neonatal, 15 do Berçário, 12 do Método Canguru e 115 para obstetrícia e ginecologia. A nova administração, sob o comando de José Carlos Evangelista, tem como um dos principais objetivos a implantação de uma UTI materna, com oito leitos, garantindo maior assistência às mulheres parturientes. Juntamente com a Secretaria Municipal de Saúde, a diretoria promoverá reformas no bloco cirúrgico, no pré-parto, na central de esterilização, além da implantação do Centro de Referência às Vítimas de Violência Sexual e Doméstica.

História – Inaugurada em 16 de agosto de 1945, por Getúlio Vargas, a Maternidade Cândida Vargas, nome em homenagem à mãe do então presidente, tinha a finalidade prestar assitência neonatal as gestantes da capital paraibana.

A administração da Maternidade ficou por conta da Legião Brasileira da Assistência (LBA) até o ano de 1975, quando o Instituto Nacional de Previdência Social (Inamps) passou a gerenciá-la.

A diretoria do Inamps modificou o nome da instituição para Maternidade do Inamps, mantido até 1990, quando foi criado o Instituto Cândida Vargas, referência estadual em obstetrícia, e considerada pelo Ministério da Saúde um “Modelo de Gestão”, entre oito hospitais brasileiros, e “Referência Internacional para Estágios em Obstetrícia e Ginecologia pela OPAS – Organização PanAmericana de Saúde. Em 11 de novembro de 1997, a maternidade recebeu o título de Hospital Amigo da Criança, da Unicef e do Ministério da Saúde.

Notícias relacionadas