Brent bate novo recorde e fecha em US$ 67,57 - WSCOM

menu

Economia & Negócios

31/08/2005


Brent bate novo recorde e

O barril de petróleo Brent, de referência na Europa, fechou hoje a US$ 67,57 na sessão regular do mercado de Londres, o que representa um novo recorde de fechamento, e chegou a ser negociado próximo aos US$ 69 durante o dia.

Com esse preço final, o barril de Brent para entrega em outubro subiu US$ 2,70, mais de 4% em relação ao fechamento de ontem, por causa dos danos provocados pelo furacão Katrina na infra-estrutura petrolífera do Golfo do México.

No entanto, o petróleo do Mar do Norte chegou a ser negociado hoje a US$ 68,89, um preço sem precedentes desde que o International Petroleum Exchange (IPE) começou suas atividades, em 1988.

A escalada do preço do Brent aconteceu por causa da preocupação dos mercados com os problemas causados pelo furacão Katrina nas instalações petrolíferas do Golfo do México, de onde é extraída 25% da produção de gás e de petróleo dos EUA.

Os operadores do mercado estão preocupados não só com as possíveis perdas de barris de petróleo por causa do furacão, mas também pela redução que pode representar para a atividade das refinarias nos EUA.

Na região do Golfo do México, que produz 1,5 milhão de barris de petróleo diários, centenas de plataformas foram evacuadas por causa da passagem de Katrina.

Como conseqüência do furacão, o barril de Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve), de referência nos EUA, beirou hoje os US$ 70 no mercado de Nova York.

Neste ambiente de preocupação generalizada, a Arábia Saudita, maior exportador de petróleo do mundo, mostrou-se disposta hoje a aumentar sua produção de petróleo para 11 milhões de barris diários se os efeitos do furacão provocarem uma escassez no mercado.

“Observamos de perto o impacto do furacão Katrina no abastecimento de petróleo dos EUA, no refinamento e nos preços do produto”, explicou o ministro saudita de Petróleo, Ali al-Naimi.

“Estamos em contato estreito com nossos clientes, especialmente os dos EUA, para assisti-los no caso de uma escassez no mercado de petróleo”, acrescentou o responsável ministerial.

Mas o ministro ressaltou que os estoques de petróleo nos EUA têm 40 milhões de barris a mais do que no mesmo período do ano passado.

Além disso, Al-Naimi lembrou que a Arábia Saudita continua com seu plano geral para poder aumentar, num futuro próximo, a capacidade de produção e chegar aos 12,5 milhões de barris diários.

“Mantemos nosso compromisso de garantir um abastecimento global adequado de petróleo”, acrescentou.

Notícias relacionadas