Bonecas confeccionadas por reeducandas paraibanas são expostas no Supremo Tribunal Federal - WSCOM

menu

Paraíba

10/08/2018


Bonecas confeccionadas por reeducandas paraibanas são expostas no Supremo Tribunal Federal

Foto: autor desconhecido.

Os artigos do projeto ‘Castelo de Bonecas’, produzidos pelas reeducandas do Presídio Feminino Júlia Maranhão, em João Pessoa, serão expostos nesta sexta-feira (10) na sede do Supremo Tribunal Federal. A exposição das bonecas, que faz parte da programação da ‘XII Jornada da Lei Maria da Penha’, terá a logomarca do Programa de combate à violência contra a mulher idealizado pelo Conselho Nacional de Justiça – ‘Justiça pela Paz em Casa’. O convite para exposição veio da presidente do STF e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministra Cármen Lúcia.

O projeto ‘Castelo de Bonecas’, que consiste na produção de artigos artesanais feitos pelas reeducandas da Penitenciaria Maria Júlia Maranhão, no bairro de Mangabeira, em João Pessoa, é um trabalho de ressocialização desenvolvido pela parceria da Cidade Viva com a Vara de Execução Penal (VEP) e a Penitenciária Feminina Maria Júlia Maranhão, que já capacitou cerca de 60 reeducandas. Durante a exposição do SFT, vão ser expostas e disponíveis para a comercialização cerca de 100 bonecas.

Doação de maquinários e reforma – O projeto, que foi iniciado em 2012, contou com doações de máquinas para a fabricação das bonecas artesanais e da reforma da sala nas dependências do presídio Júlia Maranhão, realizada por cerca de 40 voluntários fixo do ministério ‘Esperança Viva’ da igreja Cidade Viva. Esses voluntários trabalham semanalmente com os apenados nos presídios em João Pessoa a exemplo do Júlia Maranhão. “Além do trabalho de ressocialização com as apenadas do Júlia Maranhão e nos presídios masculinos da capital, os voluntários da Cidade Viva, que têm formação nas áreas de direito, saúde e de assistência social, dão continuamente assistência jurídica, médica/odontológica e espiritual aos apenados desses presídios”, acrescenta o líder do ministério Esperança Viva da Cidade Viva, Vladimir Miná.

Ele apontou que o trabalho da parceria promovido pelas instituições públicas como Tribunal de Justiça do Estado e a Secretaria da Administração Penitenciária junto com a Cidade Viva e outras igrejas, nos presídios da Paraíba, é uma das saídas para uma ressocialização mais digna dos apenados no Estado.

Segundo Vladimir Miná, o projeto Castelo de Bonecas, iniciado há seis anos com as apenadas do Júlia Maranhão, se transformou, na ‘meninas dos olhos’, ou seja, um diferencial na parceria, e uma das experiências mais exitosas no processo de ressocialização de mulheres apenadas do Estado, despertando, inclusive, atenção do Conselho Nacional de Justiça e do STF.

“Realizamos, no ano passado, durante o Godstcok uma reforma na sala da fabricação de bonecas para melhorar o espaço do trabalho delas. A qualidade final dos produtos artesanais produzidos pelas reeducandas no projeto ‘Castelo de Bonecas’ também está cada vez melhor a cada ano, o que eleva não apenas a aceitação dos produtos nas exposições, mas gera uma oportunidade de emprego e renda e de uma ressocialização mais digna dessas mulheres com o trabalho de qualificação, após cumprirem as suas penas”, apontou.

Outras exposições – Além da exposição da sede do STF nesta sexta-feira (10), o projeto “Castelo de Bonecas” das reeducandas do presídio Júlia Maranhão já participou de diversas exposições dentro e fora da Paraíba, como a Fenarte, maior feira de artesanato da América Latina, a II Mostra Laboral do Sistema Penitenciário do Estado de Santa Catarina e as diversas edições do Salão do Artesanato Paraibano.