Berzoini diz que Alencar nunca foi segunda opção - WSCOM

menu

Economia & Negócios

23/06/2006


Berzoini diz que Alencar nunca

O presidente nacional do PT, Ricardo Berzoini, afirmou hoje, durante reunião preparatória para a convenção nacional, que o vice-presidente, José Alencar, nunca foi uma segunda opção para preencher a chapa do PT para as eleições presidenciais.

Berzoini ainda disse que nunca houve um convite ao PSB para que a sigla indicasse um nome para o vice da chapa para a reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo ele, só houve estudos avaliando os nomes de Eduardo Campos e Ciro Gomes. Hoje, em Chapecó (SC), Lula confirmou que Alencar integrará a chapa, dizendo que nunca houve preocupação quanto ao assunto.

Berzoini afirmou que, mesmo sem o apoio formal do PSB, o partido deve apoiar o presidente e a relação entre os dois partidos não vai mudar durante as eleições. Sobre o fato de o PT não ter conseguido confirmar o apoio de outras siglas para a coligação nacional, Berzoini minimizou o impacto do fato.

“Óbvio que seria melhor que a coligação fosse maior, mas os apoios e o pacto de governabilidade podem ser feitos depois, após as eleições, dependendo da estrutura do Parlamento”, disse.

O presidente do PT também admitiu que há a possibilidade de o PCdoB anunciar apoio formal durante a convenção nacional do partido amanhã. Ele disse ainda que o responsável pelas finanças da campanha à reeleição de Lula ainda não está definido e o nome não será anunciado amanhã, ficando para a semana que vem.

Segundo Berzoini, a reunião de hoje é para repassar aos filiados e à executiva os assuntos tratados nesta semana. Ele dirá aos filiados que o PT está numa situação positiva e numa boa preparação para a campanha do presidente. Além disso, o presidente falará que é importante unir a campanha nacional com as estaduais.

Questionado sobre como o PT conseguirá separar o “Lula presidente” do “Lula candidato”, Berzoini respondeu que isso não será difícil, pois já existe uma regra, criada pelo governo Fernando Henrique Cardoso, a qual o PT cumprirá.

Sobre o dinheiro do partido para as viagens de Lula como candidato, ele fez questão de lembrar que as finanças de campanha são diferentes das finanças do partido.

A arrecadação de dinheiro para a campanha petista só começa depois de amanhã, dia da convenção nacional. O partido deve cerca de R$ 50 milhões em empréstimos a bancos.