Azevedo garante inauguração do viaduto em agosto e descarta candidatura em 2018 - WSCOM

menu

Política

04/07/2016


Azevedo descarta candidatura em 2018

"QUERO SOSSEGO"

Foto: autor desconhecido.

O secretário João Azevedo, de Estado dos Recursos Hídricos, do Meio Ambiente e da Ciência e Tecnologia, comentou nesta segunda-feira (4) que as últimas chuvas ocorridas em João Pessoa e a retenção de recursos pelo Ministério das Cidades atrasaram as obras de construção do Viaduto Governador Eduardo Campos (Viaduto do Geiseil), na BR-230. De acordo com ele, o prazo de conclusão teve que ser adiado para 31 de agosto, no entanto, o Governo pretende liberar o trânsito da via que passa por cima do viaduto, no sentido João Pessoa / Campina Grande, já nos próximos dias.

“Vamos liberar nos próximos dias o trajeto para quem sai de João Pessoa já passar por cima do viaduto. Com isso, poderemos fazer as duas alças que faltam do lado esquerdo. A nossa nova previsão é que, se São Pedro deixar e sem os atropelos financeiros da obra, esperamos que até o final de agosto o viaduto esteja entregue a população. O objetivo é entregá-lo nas melhores condições e o mais rápido possível para que possamos resolver o maior problema de mobilidade urbana que cidade tem atualmente”, disse.

Desistência do pleito municipal

João Azevedo ainda voltou a comentar sobre a retirada da pré-candidatura para prefeito de João Pessoa, pelo PSB. Ele foi substituído pela professora Cida Ramos. De acordo com o secretário, em determinado momento o partido analisou que o Governo Estadual perderia com a sua saída, principalmente, após o processo de impeachment que culminou no afastamento de Dilma Rousseff (PT) da Presidência da República.

“Fui convocado pelo partido a disponibilizar meu nome para a disputa. A única exigência foi que não houvesse disputa interna, que fosse de consenso numa futura convenção, assim foi definido. Ao longo do tempo, algumas circunstâncias em nível nacional aconteceram e o partido, em reunião, avaliou sobre a atual circunstância da política brasileira. A saída da presidente colocaria o Estado, em decorrência da posição do governador Ricardo Coutinho, numa situação diferenciada para com os outros Estados e que haveria a necessidade da minha permanência no Governo”, disse.

“Houveram opiniões favoráveis e divergentes, entretanto, da mesma maneira como coloquei meu nome, coloquei que não haveria problema algum em retirá-lo, afinal ninguém é candidato de si mesmo. Você precisa ter a estrutura do partido e se ele entendeu que é preciso uma mudança, não há porque não ter. E, isso foi consenso. Não houve problema algum de rompimento”, complementou.

Candidato em 2018?

João Azevedo ainda se esquivou de comentar sobre uma possível candidatura nas eleições de 2018. Técnico renomado, ele afirmou que já pensa na aposentadoria do serviço público e que não trabalha em cima de especulação.

“Eu tenho muita dificuldade em trabalhar em cima de especulação. 2018 está muito longe, não tenho ideia do que vai acontecer até lá. Eu, já por conta da idade, já estou querendo sossego e paz. Eu quero é mais tranquilidade e nesse momento eu penso em obras e intervenções como essa do Parque Parahyba, da Falésia do Cabo Branco e do Viaduto do Geisel que está num ritmo muito forte”, concluiu.
  

Notícias relacionadas