Ataques aéreos de Israel matam seis no sul da Faixa de Gaza - WSCOM

menu

Internacional

08/04/2011


Ataques aéreos de Israel matam seis

Tensão

Foto: autor desconhecido.

Aviões israelenses bombardearam vários alvos no sul da Faixa de Gaza nesta sexta-feira (8), matando seis pessoas, em mais uma represália contra o lançamento de foguetes e obuses contra o sul de Israel.

ONU e União Europeia pediram a interrupção imediata das hostilidades, um dia depois que um disparo de míssil antitanque contra um ônibus escolar em Israel feriu gravemente um adolescente.

Desde então, Israel lançou mais de 20 ataques contra alvos em toda a Faixa de Gaza, matando 11 palestinos – seis civis, quatro militantes do Hamas e um policial. Pelo menos 45 pessoas ficaram feridas.

Os autores do disparo "cruzaram uma linha vermelha", disse em Praga o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, citado pela rádio militar. "O exército israelense respondeu imediatamente e continuará atacando energicamente".

Aviões israelenses bombardearam vários alvos no sul da Faixa de Gaza nesta sexta-feira (8), matando seis pessoas, em mais uma represália contra o lançamento de foguetes e obuses contra o sul de Israel.

ONU e União Europeia pediram a interrupção imediata das hostilidades, um dia depois que um disparo de míssil antitanque contra um ônibus escolar em Israel feriu gravemente um adolescente.

Desde então, Israel lançou mais de 20 ataques contra alvos em toda a Faixa de Gaza, matando 11 palestinos – seis civis, quatro militantes do Hamas e um policial. Pelo menos 45 pessoas ficaram feridas.

Os autores do disparo "cruzaram uma linha vermelha", disse em Praga o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, citado pela rádio militar. "O exército israelense respondeu imediatamente e continuará atacando energicamente".

"Nós continuamos atuando para acabar com os disparos de foguetes e para que aqueles que dispararam o míssil lamentem tê-lo feito", declarou à rádio militar o ministro da Defesa Civil israelense, Mattan Vilnai.

Segundo uma porta-voz militar, o exército israelense realizou 14 incursões aéreas e dois ataques com artilharia terrestre na quinta-feira contra alvos em Gaza, depois que o míssil reivindicado pela ala militar do Hamas foi lançado.

Um homem de 55 anos, uma mulher de 45 e sua filha, de 21 anos, morreram e outras quatro pessoas ficaram feridas nos ataques desta sexta a leste de Khan Yunes, perto da fronteira com Israel, segundo fontes médicas palestinas, que reportaram cerca de 50 feridos em 24 horas.

Poucas horas antes, um ataque israelense na mesma área matou dois membros das Brigadas Ezzedin al Qasam, braço militar do Hamas, que assumiu o lançamento de um míssil como uma "primeira resposta aos crimes" israelenses, citando a morte de três de seus militantes em 2 de abril durante uma incursão aérea.

Nesta sexta-feira, nove projéteis foram disparados da Faixa de Gaza contra o sul do Estado judaico, sem causar vítimas ou danos.

Na quinta, pelo menos 50 obuses de morteiro e foguetes caíram no sul de Israel, um deles sobre um ônibus escolar.

Um dos foguetes foi interceptado pelo novo sistema de defesa antimísseis israelense Iron Dome (Cúpula de Ferro), que começou a funcionar no fim do mês passado.

Depois de um dia de violência, o Hamas anunciou na noite de quinta-feira que conseguira restabelecer o consenso obtido em 26 de março entre os principais movimentos palestinos para prolongar uma trégua tácita com Israel – depois de uma escalada sem precedentes em mais de dois anos – sob a condição de que fosse recíproca.

Um representante da Jihad Islâmica indicou que esta decisão havia sido tomada "depois de contatos com os países árabes".

Com esta atitude, o Hamas quer evitar que se repita a operação israelense "Chumbo Grosso", que aconteceu em Gaza entre dezembro de 2008 e janeiro de 2009, na qual morreram 1.440 palestinos e 13 israelenses.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, fez um apelo pedindo "o fim imediato dos disparos de foguetes", segundo seu porta-voz.

A chefe da diplomacia da União Europeia, Catherine Ashton, pediu o "fim imediato da violência", condenou os tiros palestinos contra "civis inocentes" e "lamentou a perda de vidas civis em Gaza".

Notícias relacionadas