‘Ataque em Dallas foi cruel e desprezível’, diz Obama - WSCOM

menu

Brasil & Mundo

08/07/2016


Obama: ataque em Dallas foi desprezível

POLICIAIS MORTOS

Foto: autor desconhecido.

O presidente americano, Barack Obama, afirmou na manhã desta sexta-feira (8) que o ataque que deixou cinco policiais mortos e outros seis feridos em Dallas, no Texas, foi “cruel e desprezível”, segundo a CNN. Franco-atiradores dispararam contra os agentes que acompanhavam uma manifestação contra a violência policial, na noite de quinta-feira (7).
"Ainda não conhecemos todos os fatos. O que sabemos é que aconteceu um ataque cruel, calculado e desprezível contra as forças de segurança. Estamos horrorizados com as mortes em Dallas. Não há justificativa para os ataques", declarou Obama em Varsóvia, na Polônia, onde chegou nesta manhã para uma cúpula de líderes da Otan. O presidente informou que o FBI participa das investigações, segundo a CNN.

Segundo o chefe de polícia local, David Brown, três suspeitos foram detidos, entre eles uma mulher. Ele também exibiu uma foto de um homem com uma camisa camuflada carregando um fuzil.

Um quarto suspeito morreu após ficar cercado em um estacionamento. Ainda não se sabe se ele se matou ou se foi morto em confronto com os policiais. Em princípio, ele gritou que espalhou bombas na cidade. O aeroporto de Dallas entrou em estado de alerta e voos que chegariam à cidade foram desviados. Pelo menos duas buscas foram feitas em várias partes da cidade e nada foi localizado, segundo a polícia.

Violência contra negros
O protesto em Dallas foi uma das muitas manifestações nos Estados Unidos após a morte de dois homens negros por policiais brancos, em Minnesota e na Luisiana.

Noite de quarta (6), Philando Castile, de 32 anos, morreu em uma blitz na cidade de Falcon Heights, em Minnesota. A namorada de Castile, Diamond Reynolds, transmitiu imagens ao vivo pelo Facebook que mostravam o namorado, agonizando, com uma camisa branca manchada de sangue logo após ser atingido.

No vídeo, ela explicou que o namorado disse ao policial que tinha porte de arma de fogo. Ele estava procurando sua licença e os documentos de seu veículo quando o policial atirou, segundo ela.

Na terça-feira, Alton Sterling, de 37 anos, foi morto em uma ação policial em Baton Rouge, em Luisiana.

Notícias relacionadas