ASSISTA: Wesley Batista é hostilizado em churrascaria de São Paulo - WSCOM

menu

Política

12/03/2018


ASSISTA: Wesley Batista é hostilizado em churrascaria de São Paulo

Foto: autor desconhecido.

Vídeos que circulam nas redes sociais mostram o empresário Wesley Batista, da JBS, pertencente ao grupo J&F, sendo hostilizado dentro de restaurante no Itaim Bibi, bairro nobre da Zona Sul de São Paulo, ao ser confundido com o irmão Joesley Batista.

O protesto de frequentadores da churrascaria ocorreu na tarde deste domingo (11), dois dias após Joesley Batista deixar a carceragem da Superintendência da Polícia Federal em São Paulo, seguindo decisão judicial que determinou a soltura dele. Os dois empresários são acusados de participar de um esquema de corrupção envolvendo o governo federal.

Nos vídeos, é possível ouvir gritos de “fora, ladrão”, “fora, Joesley”, “palhaço”, “vagabundo” e “vai pra casa, ladrão’. Enquanto isso, Wesley aparece sentado a uma mesa acompanhado de outras pessoas. Após o protesto, o empresário deixou o restaurante acompanhado de policias militares.

A JBS e a J&F informaram que não vão comentar o caso.

 A assessoria de imprensa da Polícia Militar informou que foi acionada por volta de 17h20 para atender a um chamado de que alguém estaria sendo hostilizado em um restaurante. Às 19h, houve uma atualização no registro da PM informando que o caso foi levado para o 14º DP. A corporação, no entanto, não informou que tipo de ocorrência foi registrada.

O funcionário responsável pelo restaurante na noite deste domingo confirmou à reportagem que Wesley batista esteve no local nesta tarde, foi vaiado e acabou se retirando do estabelecimento.

Wesley Batista deixou a carceragem da PF em São Paulo na madrugada de 21 de fevreiro, quando ele e o irmão Joesley tiveram a prisão preventiva substituída por medidas cautelares, por decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Joesley, porém, seguiu preso porque existia um segundo mandado de prisão contra ele, e só conseguiu ser solto na sexta-feira após nova decisão judicial.

G1

Notícias relacionadas