ASSISTA! Pastor mergulha camisa do Galo no rio Jordão e fala em fim de 'maldição' - WSCOM

menu

Futebol

06/06/2018


ASSISTA! Pastor mergulha camisa do Galo no rio Jordão e fala em fim de ‘maldição’

O vídeo envolvendo um pastor mineiro que tem dado o que falar nos últimos dias. A gravação, que tem pouco mais de dois minutos, mostra Antônio Alves Ferreira, líder evangélico, mergulhando uma camisa do Atlético Mineiro no rio Jordão, na Palestina, para quebrar uma “maldição” que supostamente envolveria o clube.

Natural de Belo Horizonte, Ferreira é presidente do Conselho Estadual da Igreja do Evangelho Quadrangular no Mato Grosso. No vídeo, além de afirmar ser torcedor do Atlético, ele diz ser um homem “fervoroso” e que, apesar de o time ter um dos melhores centros de treinamentos do mundo – e jogadores de qualidade -, parece sofrer com uma “maldição”. Para colocar fim ao negativismo, mergulha o uniforme do clube alvinegro sete vezes nas águas do rio.

“Tô aqui no rio Jordão quebrando esse maldição do Clube Atlético Mineiro, o time do Galo. Todo mal está repreendido. E mergulhamos aqui sete vezes com a camisa do Atlético. Toda maldição está quebrada em nome de Jesus”, diz em um trecho do vídeo.

O pastor retornou da viagem que fez a Israel no último dia 1º. Em entrevista ao um portal de notícias de Belo Horizonte, o religioso revelou o que o levou a fazer a oração com a camisa do Atlético.

“Eu estava no meio de uma oração normal quando outra pastora questionou qual era meu time, que é o Galo, e pediu para que eu fizesse a oração”, disse.

Segundo ele, o vídeo foi gravado por terceiros e divulgado em um grupo no WhatsApp.

O pastor também lembra que é comum a associação entre futebol e religiosidade. “Os próprios jogadores oram antes de entrar em campo, alguns comemoram fazendo sinal para o céu. O que eu fiz de errado?”, questiona. “Não disse nada demais, apenas abençoei o time. Aqueles que são fervorosos oram, até mesmo torcedores fazem isso durante os jogos. Quem sou eu para julgar e para ser julgado?”, continua.

Ferreira explica que, apesar de ser atleticano, não acompanha o desempenho do time, principalmente por morar fora de Belo Horizonte. “Algumas pessoas me mandaram para o inferno, um absurdo. Eu não fiz em tom de brincadeira, nem quis ofender ninguém”, conta. “Faria também pelo Cruzeiro, já que na minha posição não devo fazer acepção. Peço desculpas publicamente se ofendi alguém, algum atleticano ou evangélico”, diz.

De acordo com o BHAZ, antes de presidir o Conselho Estadual da Igreja no Mato Grosso, o pastor Antônio liderou duas outras da mesma denominação em Minas. A primeira delas em Belo Horizonte, no bairro Gameleira, região Oeste da cidade, e a segunda em Teófilo Otoni, no Vale do Jequitinhonha.

Nas redes sociais, internautas de diferentes partes do país reagem ao vídeo gravado por Ferreira. A gravação tem sido compartilhada no Facebook e, principalmente, no Twitter.

Portal T5