Assessores de Bolsonaro doaram mais de R$ 100 mil para campanha - WSCOM

menu

Política

15/03/2019


Assessores de Bolsonaro doaram mais de R$ 100 mil para campanha

Maior doador foi o capitão do Exército Jorge Francisco

Na imagem, o presidente da República Jair Bolsonaro

 Um levantamento realizado pela agência Pública mostrou que dois assessores do presidente Jair Bolsonaro doaram R$ 109 mil para campanhas do clã nos últimos 14 anos. Além disso, outros outros cinco assessores prestaram serviços de campanha enquanto estavam contratados pelo atual presidente ou seus três filhos. 

Segundo o levantamento da agência Pública, o maior doador foi o capitão do Exército Jorge Francisco, que trabalhou quase duas décadas como assessor parlamentar de Jair Bolsonaro na Câmara, e faleceu em 2018, aos 69 anos vítima de infarto. Ele foi um dos principais financiadores das candidaturas da família. Sozinho, em quatro eleições entre 2004 e 2016, o ex-assessor Jorge Francisco repassou ao todo R$ 81 mil para Jair e sua prole, os filhos-candidatos Eduardo, Flávio e Carlos Bolsonaro, segundo registros do Tribunal Superior Eleitoral. Para totalizar as doações, os valores de cada ano foram atualizados de acordo com a inflação no período.

Telmo Broetto

O segundo principal assessor-doador foi Telmo Broetto, que trabalhou como secretário parlamentar de Jair Bolsonaro entre 2005 e 2018 e atualmente exerce o mesmo cargo no gabinete de Eduardo Bolsonaro, na Câmara dos Deputados. Em 2006, por meio de cheque e depósito em espécie, Telmo apoiou a candidatura do filho do patrão, Flávio Bolsonaro, na corrida para a Assembleia Legislativa do Rio, pelo PP. O valor foi de R$ 9 mil – o equivalente a mais de R$ 17 mil em valores atualizados.

Em 2014, Telmo Broetto e Jorge Francisco também apoiaram a candidatura de Eduardo Bolsonaro à Câmara dos Deputados pelo PSC. O primeiro repassou R$ 11 mil, enquanto Telmo aportou R$ 7 mil, em valores nominais. Ambos trabalhavam como assessores de Bolsonaro.

Na terceira posição, entre os assessores que mais fizeram doações de campanha para a família Bolsonaro, está Valdenice de Oliveira Meliga, irmã de dois milicianos presos em 2018. De maio de 2018 até fevereiro deste ano, ela exercia um cargo de confiança no gabinete da liderança do PSL na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), sob comando de Flávio Bolsonaro. De acordo com as declarações de Flávio Bolsonaro ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Valdenice prestou serviços de administração financeira para sua candidatura ao Senado em 2018. O valor foi estimado em R$ 5 mil.

Não há impedimento

“Não existe nada na lei eleitoral com restrições de doações de pessoas físicas, nem assessores. Ou seja, não há impeditivo legal, mas isso revela um vício do sistema político”, comenta Bruno Carazza, autor do livro ‘Dinheiro, eleições e poder: as engrenagens do sistema político brasileiro’. Segundo ele, esta prática é chamada de patronagem. “Cria-se um incentivo para contratar alguém que é próximo, correligionário ou não, e aquela pessoa tem o compromisso de compartilhar o que ganhou, retornando para o partido ou para o político que o nomeou”, explica Carazza.

A Secretaria de Comunicação Social da Presidência não quis comentar o assunto. 

Leia na íntegra a reportagem da agência Pública. 

Redação com Brasil 247