Após três dias, tripulantes de submarino russo são salvos - WSCOM

menu

Internacional

07/08/2005


Após três dias, tripulantes de

Após três dias presos a uma profundidade de 190 m no oceano Pacífico, os sete tripulantes do minissumbmarino russo AS-28 –que lutavam contra a escassez de oxigênio– foram resgatados. Todos eles já fizeram exames médicos e passam bem. Apenas um continua em um navio da Marinha russa, mas não se sabe por que ele não foi levado para o continente.

Um veículo britânico operado por controle remoto conseguiu cortar neste domingo os cabos que prendiam o minissubmarino no fundo do mar na península de Kamchatchka (costa do Pacífico).

Ivan Sekretarev/AP

Vyacheslav Milashevsky (à frente), capitão do submarino, desembarca a salvo com sua equipe

O porta-voz da Marinha russa, Igor Dygalo, disse que seis marinheiros e o representante da empresa fabricante do minissubmarino estão em “condição satisfatória”. Cinco horas após o seu resgate, seis deles foram levados a um hospital no continente para realização de exames.

O comandante da tripulação do submarino, tenente Vyacheslav Milashevsky, estava pálido e parecia cansado, mas disse estar ‘bem’ quando questionado por jornalistas como se sentia, ao ser levado para o hospital.

Resgate

O submarino emergiu às 4h26 (22h26 deste sábado, no horário de Brasília), após ficar três dias preso nas águas da costa do Pacífico, a uma temperatura que variava entre 5ºC e 7ºC.

Antes da chegada dos equipamentos britânicos e americanos, navios russos tentaram soltar o submarino e trazê-lo para águas mais próximas da superfície, onde mergulhadores poderiam acessar a embarcação, mas só conseguiram mover muito pouco a embarcação.

Os equipamentos estrangeiros chegaram à península às 10h (18h deste sábado, no horário de Brasília), e o Super Scorpio –equipamento britânico que é capaz de mergulhar a uma profundidade de 1.515 metros, e é operado por controle remoto– conseguiu acessar o local onde o submarino estava encalhado e cortar os cabos que o prendiam.

O submarino russo, que participava de um treinamento de combate, ficou preso nos cabos de uma antena submersa, que faz parte do sistema russo de monitoração da costa. A antena está ancorada em um suporte que pesa 60 toneladas.

As primeiras informações sobre o submarino davam conta de que a embarcação tinha ficado presa em redes de pesca, versão que foi desmentida depois pelas autoridades russas.

Ajuda internacional

O envio de ajuda internacional só foi feito depois que a Rússia pediu formalmente pelo auxílio de países que pudessem colaborar com o salvamento dos tripulantes, ao contrário do que aconteceu quando um outro submarino russo, o Kursk, ficou preso no mar de Barents, quando o governo russo foi acusado de negligenciar o salvamento dos 118 tripulantes da embarcação.

Na época, o presidente Vladimir Putin foi duramente criticado porque não quis interromper suas férias para visitar o local do naufrágio do Kursk. Em agosto de 2000, a explosão de um torpedo defeituoso dentro do submarino causou a morte dos 118 tripulantes, provocando um dos mais graves acidentes na história da Marinha russa.

Na época do Kursk, o país recusou várias vezes ajuda internacional, e só a aceitou quando praticamente não havia mais esperanças de salvar os marinheiros.

Neste sábado, Putin ordenou que o ministro de Defesa Sergei Ivanov acompanhasse de perto a operação de resgate.

Putin não quis comentar o salvamento dos tripulantes do submarino neste domingo.

Notícias relacionadas