Após derrotas, rebeldes líbios se reorganizam e tentam retomar pólo petrolífero - WSCOM

menu

Internacional

01/04/2011


Rebeldes líbios se reorganizam

pólo petrolífero

Foto: autor desconhecido.

Rebeldes líbios seguiram com armamento mais pesado para retomar cidade petrolífera de Brega nesta sexta-feira (1º) e tentaram formar uma força mais disciplinada com suas unidades improvisadas para recuperar ânimo contra o Exército regular de Muammar Gaddafi.

Segundo um correspondente da rede árabe Al Jazeera em Brega, o contra-ataque desta sexta parece ter uma força mais coesa da que tem sido vista nos últimos dias. Apesar disso, eles ainda têm um “longo caminho pela frente”, informou a rede.

Os rebeldes disseram que nenhum lado pode reclamar o controle de Brega, uma de várias cidades petrolíferas ao longo da costa do Mediterrâneo que foram ocupadas e perdidas diversas vezes pelos dois adversários nas últimas semanas. Os insurgentes não conseguiram manter suas posições nem mesmo com a ajuda da coalizão aérea do Ocidente.

Mas hoje havia sinais de uma abordagem mais organizada, também descreveu a agência de notícias Reuters. Os revoltosos afirmaram que mais oficiais treinados estão no front, foguetes mais pesados foram vistos rumando para Ajdabiyah na noite desta quinta-feira (31) e o posto de passagem estava verificando quem atravessava.

Ahmed Zaitoun é um dos combatentes rebeldes e parte de uma brigada de voluntários civis que receberam mais treinamento que a maioria.

– Só quem tem armas pesadas está podendo passar. Civis sem armas são proibidos. Hoje temos oficiais indo conosco. Antes íamos sozinhos.

Rebeldes posicionam armas para defender Benghazi

Na estrada entre Ajdabiyah e a capital rebelde Benghazi, armas foram posicionadas em valas recém cavadas mirando Ajdabiyah e o front de batalha, o primeiro sinal de posições de defesa organizada protegendo Benghazi.

Também continuam os esforços diplomáticos da coalizão para abalar o poder de Gaddafi em Trípoli. Londres exortou as pessoas leais a Gaddafi a abandoná-lo, seguindo a deserção do ministro das Relações Exteriores Moussa Koussa.

Um enviado do ditador conversou nos últimos dias na capital britânica com funcionários do governo e aparentemente sondou uma possível saída para o coronel e sua família, informou a imprensa britânica.

Após fracassos, opositores testam novas táticas

Uma nova tática ainda tem que ser testada depois da surra que os rebeldes levaram nesta semana, quando um avanço de dois dias de cerca de 200 km da costa oeste, a partir de Brega, foi repelido e se tornou em uma retirada às pressas nos dois dias seguintes.

Em Trípoli, apoiadores de Gaddafi dançavam e entoavam cânticos patriotas no final da noite, enquanto soldados manejando armas antiaéreas observavam o céu sobre a capital da caçamba de caminhonetes.

"Não temos medo, não temos, não temos. Sempre protegeremos nosso líder. Quero dizer a Muammar Gaddafi: eu amo tanto você!", diziam adolescentes em uma passeata.

Gaddafi, que descreve os rebeldes como terroristas e acusa as forças aéreas ocidentais de matar civis com seus bombardeios, governa a Líbia desde o golpe militar de 1969.

Notícias relacionadas