Alckmin recebe título de cidadão paraibano e defende transposição do São Francis - WSCOM

menu

Política

08/03/2006


Alckmin recebe título de cidadão

O governador de São Paulo e pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB, Geraldo Alckmin, esteve em visita a Paraíba, nesta terça (7), para receber o título de cidadão paraibano. A solenidade de entrega do título aconteceu na Fundação Espaço Cultural e teve a presença de autoridades de todo o Nordeste. Na ocasião, Alckmin disse ser a favor da transposição do São Francisco e garantiu que esta será uma de suas metas de governo, caso seja eleito e se o presidente Lula não a tiver realizado.

“Somos favoráveis à transposição do São Franciso, mas o que precisa ser feito, e é necessário, é recuperação da bacia. Se formos eleitos estaremos trabalhando para que isso aconteça”, argumentou.

O ex-prefeito de João Pessoa, Cícero Lucena, acredita que, ao titular Alckmin como cidadão paraibano, o pré-candidato possa ter maior compromisso com o Estado se eleito presidente. “Esse título representa a aproximação de Alckmin com a Paraíba, para ele passar a se sentir mais responsável e nós possamos mostrá-lo aquilo que temos identificado como problema ou potencial no Estado. Assim, se ele vier a ser presidente da República, vai poder ajudar a Paraíba a aproveitar seu potencial e ser Estado mais justo socialmente”, disse.

Em relação ao apoio a Alckmin ou a José Serra, que se configura como o outro pré-candidato do PSDB à presidência, o ex-prefeito defende o consenso entre eles. “Ainda não discutimos internamente no partido em quem iremos votar, até porque nós acreditamos que o partido vai encontrar um candidato consensualmente, seja Alckmin ou Serra”, relatou.

O governador Cássio Cunha Lima informou que o vácuo na escolha de um nome não afasta partidos aliados. “É claro que não podemos demorar na escolha, mas ainda existe um prazo razoável para isso e suficiente para que a partir dessa escolha possamos montar as alianças e definir a chapa”, comentou.

Geraldo Alckmin fez um discurso de campanha, mesmo ainda não tendo sido confirmado como candidato do PSDB, e certificou que terá como metas de governo o desenvolvimento regional, com a descentralização de poderes e fortalecimento dos municípios.

O PSDB tem até o dia 31 de março para definir o seu candidato à Presidência da República, mas Alckmin acredita que até a próxima semana o partido já tenha sua decisão. “Não há necessidade de correria, mas também não se deve deixar isso para o último momento”, afirmou.

Proposta a Serra – Alckmin desmentiu rumores de que o PSDB teria oferecido para Serra a candidatura ao governo de São Paulo para resolver o impasse da campanha para presidente. “Isso não foi discutido, é uma questão de foro íntimo”, disse.

Críticas ao governo Lula – “Ouvi uma declaração de Lula dizendo que o Brasil não tem pressa para crescer. Isso é inconcebível, pois o povo tem toda pressa para poder diminuir a pobreza, gerar emprego, renda e trabalho. Esse é o nosso compromisso: pisar no acelerador. Nosso tempo é o da mudança e da sua velocidade, se não fizermos isso na administração pública nós perdemos oportunidades e ficamos em último lugar na fila”, enfatizou Geraldo Alckmin.

E completou: “A capacidade de investimento do governo é quase nada, e aí as coisas andam a passos de tartarugas. Lula é a mãe dos ricos, dos milionários e dos bilionários com 156 bilhões de pagamentos de juros. Sou favorável às políticas compensatórias. Essa rede de proteção social é correta e vamos manter se formos eleitos, mas é evidente que o país precisa ter emprego, renda e trabalho”.

Divisão do partido – Alckmin defendeu que o PSDB não terá divisão com a disputa interna entre os pré-candidatos. “Aquele que for escolhido terá meu apoio, estou trabalhando para que eu seja, é claro! Mas quem apostar na divisão do PSDB vai errar redondamente”, disse.

Campanha – O pré-candidato prometeu não fazer campanha apontando erros de Lula. “Não pretendo fazer campanha falando mal do presidente, pois campanha se faz falando para o povo. Nunca vi ninguém ganhando campanha falando mal dos outros”, informou.

Notícias relacionadas