Aeronáutica pede sigilo sobre caixas-pretas - WSCOM

menu

Brasil & Mundo

26/07/2007


Aeronáutica pede sigilo sobre caixas-pre



CPI aprovou nesta quinta pedido de obtenção do conteúdo

O brigadeiro Jorge Kersul Filho, chefe do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), disse nesta quinta-feira (26) que a Aeronáutica não deve criar obstáculos para entregar à CPI do apagão aéreo da Câmara dados das caixas-pretas do Airbus da TAM que caiu em São Paulo no último dia 17.

Kersul Filho, porém, pediu que os parlamentares tenham cuidado na proteção dos sigilos dessas informações. A CPI aprovou pela manhã o requerimento que solicita à Aeronáutica acesso ao conteúdo das duas caixas-pretas do avião.

O brigadeiro disse à comissão que, embora a legislação internacional sobre acidentes aéreos impeça a divulgação desse tipo de dado, a legislação brasileira permite à CPI ter acesso ao conteúdo.

“A principio, nós não liberaríamos essas informações porque a legislação sobre investigação assim o prevê. Mas a legislação do país está acima de qualquer legislação. E a legislação prevê que a CPI pode ter acesso. Assim que a CPI necessitar de informações, estaremos sempre à disposição”, disse.

“O nosso pedido é que quem tiver acesso trate como nós tratamos, com segurança, com cuidado, porque pode afetar pessoas, familias, empresas”, afirmou.

O presidente em exercício da CPI, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), avisou, antes do depoimento do chefe do Cenipa, que a comissão não aceitará qualquer tipo de resistência por parte da Aeronáutica para entregar as informações sobre as caixas-pretas. “Não existe essa hipótese. É obrigatório. A CPI tem poder judicial. Vamos receber isso, nem que seja na marra”, afirmou.

O deputado disse ainda que determinará busca e apreensão caso a Aeronáutica crie obstáculos para dar as informações. Um outro requerimento aprovado pela CPI pede uma resposta em 48 horas sobre o assunto.

Técnicos da Aeronáutica analisam o conteúdo das caixas-pretas nos EUA. Segundo o relator da CPI, Marco Maia (PT-RS), que esteve nos EUA no início da semana, a expectativa é que as degravações cheguem ao Brasil até o fim de semana.

Aos deputados, o chefe do Cenipa afirmou que ainda é cedo para fazer qualquer avaliação sobre o acidente e as informações contidas nas caixas-pretas.

“Não é adequado darmos muita atenção a um determinado fator, uma determinada velocidade ou ao que o piloto disse num determinado momento. Temos que juntar, sincronizar os dados, do que a tripulação estava falando e como a aeronave estava reagindo”, disse Kersul.

“São tantas variáveis que qualquer uma delas analisada separadamente pode levar a uma conclusão errônea. Nós já levantamos todas as hipóteses. É irresponsável adiantar qualquer fator relativo a esse acidente. Não temos ainda dados concretos”, ressaltou Kersul. Ele reafirmou que o Cenipa estima em dez meses o prazo para concluir a investigação.

Os deputados aprovaram ainda o pedido para acesso ao conteúdo das conversas entre os controladores de vôo de Brasília e São Paulo no dia do acidente e também às informações do Instituto de Pesquisas Técnológicas (IPT) de São Paulo sobre as análises nas pistas do aeroporto de Congonhas.

Outro requerimento aprovado determina a realização de uma audiência pública entre familiares do acidente da TAM e os dos passageiros da tragédia com o avião da Gol, no ano passado, que matou 154 pessoas.

Notícias relacionadas