A Copa no Mundo: 'Os corações latirão mais forte do que nunca' - WSCOM

menu

Mais Esporte

30/06/2006


A Copa no Mundo: 'Os

Hoje é dia de duelo de titãs no Mundial da Alemanha. Os anfitriões, três vezes campeões do mundo (1954, 1974 e 1990), recebem a Argentina, que conquistou o título em duas ocasiões (1978 e 1986), mas já vive jejum de 20 anos.

“Com o estádio contra, com fome de glória, jogamos pela vaga nas semifinais com a Alemanha. E os corações latirão mais forte do que nunca”, diz jornal argentino “Olé”.

Neste, que é, ainda segundo o “Olé”, “o jogo mais importante dos últimos dez anos”, “o coração de todos [os argentinos] galopa para um dia inesquecível”.

Para o craque Riquelme, além da vaga nas semifinais, há ainda uma revanche em jogo. Pouco mais de um mês atrás, o goleiro alemão Jens Lehmann, titular da seleção e do Arsenal, defendeu um pênalti cobrado pelo argentino, que joga pelo Villarreal, em jogo válido pelas semifinais da Copa dos Campeões da Europa. A equipe inglesa avançou à final.

“Hoje, em Berlim, voltarão a se encontrar. Terá passado um mês e cinco dias deste primeiro episódio. Riquelme conta com a confiança cega de seu técnico [José Pekerman], que antes do início do Mundial assegurou que o 10 seria o cobrador de pênaltis. Román [Riquelme] assumirá com gosto o desafio”, relata o “Olé”.

Já o “Clarín” dá o tom logo no título: “Um clássico com pinta de final”. E as duas equipes sabem bem como é disputar uma final: em 1986, a Argentina, de Diego Maradona, foi campeã em cima da Alemanha. No Copa seguinte, em 1990, a situação se inverteu.

Assim, com qual das duas o jornal argentino compara o duelo de hoje? “Com a recordação sempre vigente da epopéia de México-1986, mais para lá dos 20 anos transcorridos e celebrados ontem, Argentina voltará a ter pela frente uma Alemanha que contará com uma vantagem extra: jogar em casa”.

Assim, para o “Clarín”, chegou o momento do “grande golpe”. “O certo é que à tarde em Berlim, às 17h [12h de Brasília], Argentina tratará de dar o grande golpe: deixar de fora o anfitrião e se meter nas semifinais, fase que não chega há 16 anos, na Copa da Itália-90, com aquele maradona mal fisicamente e com Goycochea, que se transformou no rei dos defensores de pênalti”.

A (nova) mão de Deus

“A Argentina treme diante da verdadeira ‘mão de deus'”, é o título da matéria do tablóide alemão “Bild”, sobre o goleiro alemão Jens Lehmann, atualmente no time inglês Arsenal.

“Em 1986 Maradona usou sua ‘mão de deus’ para vencer os ingleses. Em 2006 Maradona vai suar, lamentar e se desesperar com a verdadeira ‘mão de deus'”, continua o “Bild”.

O goleiro alemão fez uma ótima campanha pelo arsenal esta temporada, conseguindo o vice-campeonato da Copa dos Campeões da Europa.

Nas semifinais do torneio, o goleiro defendeu um pênalti batido pelo astro argentino Riquelme no fim do jogo, que selou a vitória do Arsenal por 1 a 0 sobre o Villareal

De acordo com o tablóide, o goleiro tem um “segredo para tanto sucesso”. Lehmann prende o dedo mindinho no anelar, das duas mãos, sempre que vai treinar ou jogar. De acordo com o alemão isso “dá mais estabilidade na hora de defender um chute”.

Já a revista alemã “Kicker” perguntou aos jogadores da seleção de seu país: “por que a seleção alemã vai, finalmente, vencer uma partida contra uma equipe grande, nesta sexta?”

“Porque nós não temos outra escolha”, disse o goleiro Jens Lehmann.

“Porque nós temos uma equipe forte que está unida há seis semanas. Além disso, o passado não nos influencia”, afirmou Philipp Lahm.

“Nós conhecemos nossas qualidade, estamos confiantes e otimistas. Além disso eu não posso dizer”, disse o capitão Michael Ballack.

Para Lukas Podolski a razão é mais simples: “Porque nós queremos ser campeões do mundo e, portanto, precisamos ganhar de todas as outras equipes”.