São Paulo perde para o Guarani, é vaiado e vê pressão aumentar perto da estreia na Libertadores - WSCOM

menu

Futebol

01/02/2019


São Paulo perde para o Guarani, é vaiado e vê pressão aumentar perto da estreia na Libertadores

Com atuação discreta, Tricolor não consegue furar o bloqueio do Bugre no Pacaembu. Equipe de Campinas derruba o segundo gigante do estado no Paulistão

William Matheus comemora o gol do Guarani (Foto: Marcos Ribolli)

O São Paulo falhou pela segunda vez seguida neste Campeonato Paulista. Após ter perdido do Santos no domingo, o time voltou ao Pacaembu na noite desta quinta-feira e acabou derrotado pelo Guarani, por 1 a 0. William Matheus, com pouco mais de um minuto de bola rolando, marcou o único gol da partida. Esta é a segunda vez que o Guarani vence um grande – bateu o Corinthians por 2 a 1 na segunda rodada.

Nem mesmo a estreia de Hernanes, que só havia jogado nos Estados Unidos, pela Florida Cup, diante da torcida tricolor, foi capaz de impedir as vaias ao time. O meia entrou em campo aos 18 minutos do segundo tempo e pouco contribuiu para evitar mais um tropeço dos comandados de André Jardine.

GOL COM MENOS DE DOIS MINUTOS
O técnico André Jardine manteve a linha defensiva dos outros jogos, mas mexeu bastante no meio. Tirou Hudson e Nenê para apostar em Liziero e Diego Souza na armação. No ataque, o tridente teve Helinho, Pablo e Everton.

Porém, não houve tempo de ver como o “novo” São Paulo funcionaria. Em escanteio batido com pouco mais de um minuto de bola rolando, William Matheus cabeceou totalmente livre de marcação e abriu o placar para o Guarani.

A partir do gol sofrido, o time tricolor passou o resto do primeiro tempo atacando, quase sempre na base dos cruzamentos. Foram 33 ao todo, mas apenas dez certos. A melhor chance, porém, veio em falta cobrada com violência por Reinaldo. A bola explodiu no travessão de Klever.

“A gente tomou um gol de bola parada, que treinamos tanto. Não é para tomar. Não deixamos de jogar, trabalhando a bola, girando”, analisou o lateral são-paulino.

ESTREIA DE HERNANES
O São Paulo não só não mudou sua tática para os 45 minutos finais, como ainda perdeu intensidade e passou 17 minutos ouvindo vaias e gritos por “Hernanes”, que foi relacionado pela primeira vez neste Paulistão. Jardine acatou e, no minuto seguinte, colocou o meia no jogo (Anderson Martins saiu, obrigando Hudson a recuar para atuar como zagueiro ao lado de Arboleda).

Diante de um adversário plantado em seu campo defensivo, os são-paulinos mostraram pouco repertório ofensivo. A dinâmica prosseguiu: toques de um lado a outro para tentar abrir a marcação, até uma tentativa de cruzamento. Jardine tentou melhorar a criação ao trocar Helinho por Nenê, mas o camisa 10 também pouco fez contra o paredão verde do outro lado.

UM A MENOS
As coisas pioraram quando Liziero sentiu dores e precisou sair de campo, aos 32, deixando o time com dez jogadores em campo. Foi o desfecho melancólico de uma noite em que nada deu certo para os anfitriões.

PRÓXIMOS JOGOS
Os dois times voltam a campo no domingo (3). Pela manhã, às 11h, o Guarani visita o Mirassol no estádio José Maria de Campos Maia. Mais tarde, às 17h, o São Paulo recebe o São Bento no estádio Pacaembu.


Futebol Interior