menu

Notícias

25/06/2019


No STF, Zanin sustenta: Lula foi condenado em ação coordenada entre juiz e acusação

247 – O advogado Cristiano Zanin Martins fez uma exposição durante reunião da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal, na tarde desta terça-feira 25, defendendo a liberdade do ex-presidente Lula. Ele aceitou proposta feita pelo ministro Gilmar Mendes de conceder uma liminar pela liberdade caso a Corte não julgue o caso hoje. 

A Segunda Turma julga hoje dois habeas corpus apresentados pela defesa de Lula, um deles sobre
a suspeição do ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sergio Moro. Em sua explanação, Zanin lembrou que, durante as investigações contra o ex-presidente, os telefones do escritório de advocacia foi grampeado com autorização de Moro, o que configuraria um abuso.

“O que nós pedimos, inclusive por petição protocolada ontem [segunda-feira], é que sejam dadas as prioridades regimentais, uma vez que já paciente preso há mais 400 dias, e estamos diante de um caso cujo julgamento já foi iniciado. Há preferências regimentais que deveriam, a nosso ver, ensejar a continuidade do julgamento para que sejam apreciadas as teses defensivas que foram colocadas em novembro do ano passado”, expôs Zanin.

O advogado também afirmou que Moro não provou que o triplex do Guarujá seria de Lula e citou no processo que o imóvel foi “atribuído” a Lula. “O que é isso?”, questionou. “Condenação [de Lula é] injusta e ilegal, [e foi feita] claramente com atuação coordenada de juiz e acusação e com desprezo da defesa”, declarou.

Ao final de sua fala, sem citar diretamente a troca de mensagens entre Sergio Moro e Deltan Dallagnol divulgadas pelo site The Intercept no escândalo que ficou conhecido como Vaza Jato, afirmou que a condenação de Lula foi tomada em ação “coordenada de juiz e acusação”.

Antes da fala de Zanin, os ministros da Segunda Turma debateram se a defesa teria o direito de fazer sustentação oral em plenário. Por 4 a 1 (com voto contrário de Edson Fachin), decidiram que o advogado de Lula poderia fazer sua defesa pela liberdade de Lula.