menu

Política

07/10/2019


No Governo, Fábio Maia defende Ricardo na presidência do PSB e diz que crise não atrapalha a gestão

Secretário participou da reunião com João Azevêdo, e apontou o diálogo como solução para o problema partidário.

O secretário Executivo do Planejamento do Estado, Fábio Maia, foi uma das lideranças que assinaram a renúncia que culminou na dissolução do Diretório Estadual do Partido Socialista Brasileiro (PSB). Ele, que foi nomeado secretário de Finanças na nova Comissão Provisória da legenda, esteve presente na reunião do governador João Azevêdo com os seus secretários, na manhã desta quarta-feira (7), no Centro de Convenções.

Defensor ferrenho da presença do ex-governador Ricardo Coutinho na presidência do PSB na Paraíba, ele adotou o discurso de João Azevêdo para afirmar que a crise que assola a legenda não tem interferência na administração do Estado.   

“O governador [João Azevêdo] tem sido feliz em algumas falas quando pontua que ‘partido é partido e governo é governo’. Estamos aqui numa pauta de governo, não estamos numa pauta de partido. O partido discute no próprio partido, não compete a um fazer a discussão dentro do outro, especificamente. Mas, acho que chamar o feito a ordem sempre dentro da administração pública é importante. Acho que dessa forma é que devemos  caminhar, continuar e entender que todos que aqui estão contribuindo com o Governo, principalmente, porque construímos esse projeto, que veio depois de oito anos de mudanças na Paraíba, que continua fazendo sua transformação, e, mais do que nunca, vai avançar cada vez mais”, disse.

Fábio Maia, que classificou Ricardo Coutinho como a maior liderança política da Paraíba na atualidade, disse que somente o diálogo entre João Azevêdo e o ex-governador poderá solucionar a crise partidária

“O diálogo, uma ampla conversa entre as duas principais lideranças do partido hoje, que é a maior liderança política da Paraíba inconteste, que é Ricardo Coutinho e o governador João Azevêdo. Dialogando é que a gente vai conseguir chegar num entendimento partidário, enquanto o governo tem suas pautas, tem suas perspectivas e vai continuar trabalhando em prol da Paraíba”, afirmou.

Por fim, Maia disse que não chegou a conversar com João Azevêdo sobre o problema partidária.  “Não cheguei a dialogar especificamente com o governador sobre isso, porque a decisão que tomei foi meramente partidária, com muita consciência, sabendo daquilo que estava fazendo, e volto a dizer governo é governo, partido é partido”, disse.



Por Redação
Portal WSCOM