menu

Expressão Corporal

10/09/2014


Mostra Internacional de Teatro começa 6ª

Em João Pessoa

Começa nesta sexta-feira (12) e se estende até o dia 21 (domingo), a I Mostra Internacional de Teatro (MIT) – João Pessoa Encena. Em dez dias, serão realizadas 30 apresentações teatrais, incluindo quatro grupos internacionais vindos da Argentina, Chile e Espanha, mais 16 atrações de outros Estados e 10 da Paraíba. Em sua primeira edição, o evento homenageia o ator e diretor Fernando Teixeira, que acumula mais de 50 anos de experiência em teatro. Logo no primeiro dia, a partir das 15h, está previsto para acontecer um cortejo partindo da Praça Rio Branco em direção ao Ponto de Cem Réis com a presença de artistas e grupos participantes da Mostra.

Após o cortejo, terá início uma verdadeira maratona de apresentações – só no primeiro dia, serão quatro. No Ponto Cem Réis, o grupo paraibano “Quem Tem Boca é Pra Gritar” apresentará o espetáculo “Cancão, Malazarte e Trupizupe”, a partir das 16h. No mesmo local, a partir das 18h, a Cia. Teatral Oops!… (Goiânia, GO), ocupará o palco com “Desamor”.

Em outro ponto da cidade, a Cia. de Teatro e Circo Patos Mojados (Argentina) promete divertir o público com a peça “PatoLogías”. A apresentação será às 20h, no Teatro de Arena do Espaço Cultural José Lins do Rego (bairro de Tambauzinho). Para fechar a noite de estreia, o grupo de Teatro Facetas, Mutretas e Outras Histórias se apresentará, a partir das 22h, no galpão do grupo Quem Tem Boca é Pra Gritar (bairro Varadouro).

O evento será realizado em diferentes pontos da cidade como as praças da Paz (Bancários), da Amizade (Rangel) e Coqueiral (Mangabeira), além do Teatro do Sesi, Centro Cultural Piollin, Usina Cultural Energisa, Espaço Cultural José Lins do Rego, UFPB e palcos alternativos como o galpão do Grupo Quem Tem Boca é Pra Gritar, localizado no Varadouro. A programação é 100% gratuita e durante os dez dias da MIT – João Pessoa Encena, o público poderá assistir a espetáculos e participar de oficinas, palestras e debates. O objetivo de um evento desta magnitude é possibilitar o acesso da a população ao que de está sendo produzido nos palcos brasileiros.

A programação completa está disponível no site do evento (www.mitpb.com.br), onde o público encontra informações sobre convidados para as mesas de diálogos e sinopses dos espetáculos. Em sua primeira edição, a Mostra, surge como uma das mais representativas do segmento teatral até então realizada na capital paraibana.

Luciano Santiago, curador e coordenador geral da MIT, ressalta a importância do caráter de integração social e cultural para o bom desempenho do evento. “Os três eixos básicos em que nos fundamentamos para a sua criação foi, primeiramente, possibilitar o acesso pleno da população ao teatro, intercambiar formas de conhecimento entre os vários grupos que por aqui vão circular e por João Pessoa em definitivo no mapa dos grandes eventos artísticos das mostras internacionais”, resume.

Com patrocínio da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), por meio da sua Fundação Cultural (Funjope) e da Caixa Econômica Federal, a mostra é realizada pelo Instituto Artemanha de Artes e tem correalização da Dupla Face Companhia de Teatro.

Homenageado – O ator e diretor paraibano Fernando Teixeira nasceu em Conceição, tem mais de 50 anos de atividade teatral e vem conquistando cada vez mais espaço no cinema e na televisão do país. Além das dezenas de espetáculos encenados – entre eles o Auto da Compadecida, Papa Rabo, Anayde, 15 anos depois e Fogo Morto – o homem do teatro, como é celebrado na Paraíba, também se dedica desde produções nacionais do cinema brasileiro a citar Baixio das Bestas, de Claúdio Assis, como pequenas produções do audiovisual paraibano – a última lhe garantiu o prêmio de melhor ator no Festival Comunicurtas pela atuação no curta-metragem O Hóspede, de Anacã Agra e Ramon Porto Mota.

O teatrólogo paraibano integra o Grupo Bigorna de Teatro, que existe há 45 anos e estará presente na primeira edição da MIT – João Pessoa Encena com o monólogo “Esparrela”, mostrando a atuação do homenageado do evento.

Espetáculos internacionais – Entre os grupos que participarão da I MIT – João Pessoa Encena estão os internacionais The Bag Lady Theater (Espanha/Polônia), com o espetáculo "Bag Lady"; Compañía de Titiriteros de la Universidad Nacional de San Martín (Argentina), com "La Vida Es Sueño"; La Compañía La Mona Ilustre (Chile), com o espetáculo "Juan Salvador Tramoya"; Cia. de Teatro, Circo y Patos Mojados (Argentina) com "PatoLogias".

Espetáculos nacionais – Entre as atrações brasileiras, há representantes de várias regiões. Entre eles estão Morpheus Teatro (SP), com “O Princípio do Espanto”; Cia. Mundú Rodá (SP), com o espetáculo “Donzela Guerreira”; Cia. Domínio Público (SP), com a peça “Posso Dançar pra Você?”; Cia. Do Abração (PR), com “O Olhar de Neuza”; Las Cabaças (PA), com “Semibreve” ; Dupla de Palhaças “Emily e Manela” (SP), com “Espetáculo pelo Cano”; Cia. Teatral Oops!… (GO) , com “Desamor”; Território Sirius Teatro (BA), "Seu Bomfim"; Estação de Teatro (RN), "Guerras, formigas e palhaços"; Cia 2 em Cena de Teatro, Circo e Dança (PE), "Salada Mista"; Nós de Teatro (CE), “Sertão.Doc”; Épica Cia. de Criação (PI), "Secante"; Invisível Cia. de Teatro (AL), "Voo ao solo"; Grupo de Teatro Carmim (RN), “Jacy”; Facetas, Mutretas e Outras História (RN), “O Bizarro Sonho de Steven”.

Espetáculos paraibanos – A Paraíba está bem representada na I MIT com a participação dos seguintes grupos: Bigorna, com "Esparrela"; Grupo Sertão de Teatro, com "Flor de Macambira"; Os fodidário e o espetáculo "Quincas"; Cia. Sírius de Teatro, com "Efemérico"; Agitada Gang trupe de atores e palhaços da Paraíba e a peça "Como nasce um cabra da peste"; Grupo Teatral Lavoura e o espetáculo "Diário de um Louco"; Quem Tem Boca É Pra Gritar, com "Cancão, Malazarte e Trupizup"; Cia. Oxênte e a peça "Anáguas"; Cia. de Teatro de Bonecos Boca de Cena, com "O Boi Encantado – um mergulho no maravilhoso mundo do folclore brasileiro"; Bufões de Olavo, com "Clown Bar".

Sobre o evento – A Mostra Internacional de Teatro – João Pessoa Encena foi inspirada em alguns dos principais projetos do circuito nacional no tocante ao seu alcance social e articulação com esferas públicas e privadas como braço da difusão das artes cênicas entre a população. “Os três eixos básicos em que nos fundamentamos para a sua criação foi, primeiramente, possibilitar o acesso pleno da população ao teatro, intercambiar formas de conhecimento entre os vários grupos que por aqui vão circular e inserir João Pessoa em definitivo no mapa dos grandes eventos artísticos das mostras internacionais”, resume Luciano Santiago, curador e coordenador da MIT.

Debates e oficinas – Ao longo da Mostra João Pessoa Encena, serão realizadas quatro mesas de diálogos. Os temas propostos são “Processos…”, “Políticas Públicas para Cultura – Fomentos”, “Cooperativas e Movimentos Artísticos”, além de “Mostras e Caminhos”. Entre os palestrantes e debatedores estão nomes como Antônio Rogério Toscano, Daniel Araújo, Dorberto Carvalho, Kil Abreu, Luciano Santiago, Maria do Rosário Ramalho, Ney Piacentini, Valmir Santos.

A oficina “Noções sobre o Sistema de Stanilavski” será ministrada por Ney Piacentini. A proposta é experimentar elementos extraídos da Gramática para o Ator, elaborada por Constantin Stanislavski através de exercícios que possibilitem a compreensão das ações psicofísicas e da análise ativa, entre outros aspectos da terminologia stanislavskiana. Outras duas vivências teatrais serão ministradas por convidados da Argentina (Compañía de Titiriteros de la Universidad Nacional de San Martín) e do Chile (La Compañía la Mona Ilustre) .

Lançamento de livro e show – A cerimônia de abertura da MIT – João Pessoa Encena será realizada no dia 11 de setembro, em evento restrito para convidados, começando com o lançamento do livro “Revelando Artemanhas”, organizado por Luciano Santiago (curador e coordenador da Mostra e integrante do Instituto Artemanha, responsável pelo evento).

A programação da noite também inclui um show do grupo cearense Fulô da Aurora. O grupo faz parte de uma nova fase da música feita no Ceará, onde a tradição oral vem sendo redescoberta e novos grupos surgem em meio ao ruído das praças, festas nos quintais, música que une.