menu

Brasil & Mundo

14/12/2018


Filha de João de Deus relata abusos dos 10 aos 14 anos: ‘Monstro’

Médium está preso. Dalva Teixeira também narra um episódio de agressão ocorrido quando ficou grávida

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

A Justiça de Goiás determinou, nesta sexta-feira (14), a prisão preventiva de João de Deus, suspeito de praticar abusos sexuais durante tratamentos espirituais, em Abadiânia, cidade goiana do Entorno do Distrito Federal. A informação foi confirmada à TV Anhanguera pelo secretário de Segurança Pública de Goiás, Irapuan Costa Júnior.

 

Um pouco antes da prisão, a filha de João de Deus, revelou à revista ‘Veja’ que o pai abusou sexualmente dela dos 10 aos 14 anos. No primeiro caso, Dalva Teixeira diz que o líder religioso mandou que ela ficasse nua e passou o pênis por todo seu corpo.

“Ele me levou para o quarto dele, tirou minha roupa toda e eu achei aquilo estranho. Aí eu perguntei: o que você está fazendo? E ele disse: o pai vai fazer um trabalho espiritual com você com Dom Inácio de Loyola, aí ele pegou, ficou pelado, se despiu todo e começou a passar o pênis dele no meu corpo todo. Aí ele pegou e foi. Aí eu falei: ‘ai, está me machucando’, e ele em cima de mim. E eu: ‘está me sufocando’. Aí eu peguei e saí correndo”, disse.

 

Segundo o relato, os abusos ocorreram até ela ficar grávida de um funcionário do médium aos 14 anos. João teria espancado Dalva ao descobrir a gravidez e hoje em dia ela classifica o pai como um “monstro”.

 

“Meu pai descobriu que eu estava grávida, me bateu muito, com vara de ferrão, com aquele negócio de laçar boi que tem uma bola de cimento na ponta. Aí falou que eu não ia casar. Me bateu muito, eu fui para o hospital muito machucada, fora de si”, revelou. “Aí eu saí do hospital e fui para casa da minha tia acompanhada de enfermeira, porque eu estava sangrando pela vagina, porque estava grávida. Ele pisou muito na minha barriga. Ele falava: “eu vou te matar, você está grávida”, completou.

 

O escândalo sexual envolvendo o médium ganhou força após mulheres denunciarem os abusos durante o programa Conversa com Bial, da TV Globo, no último sábado. Desde então, João de Deus foi denunciado por mais de 300 mulheres ao Ministério Público. Ele nega as acusações e disse que está “nas mãos da lei”.