menu

Cultura

25/08/2019


Escritora Fernanda Young morre aos 49 anos

Atriz, escritora e roteirista teve crise de asma e parada cardíaca na madrugada deste domingo (25).

Foto: Arquivo

A atriz, escritora e roteirista Fernanda Young, de 49 anos, morreu na madrugada deste domingo (25) em Minas Gerais. A autora de séries de sucesso, como “Os normais”, teve uma crise de asma seguida de parada cardíaca. O corpo dela será velado e enterrado na tarde deste domingo.

 

Fernanda deixa marido e quatro filhos. A atriz estava em cartaz em São Paulo com a peça “Ainda nada de novo”, em que contracenava com Fernanda Nobre.

Em sua última postagem no Instagram, Fernanda Young publicou a foto do seu sítio em Gonçalves (MG), onde ela estava, e escreveu: “Onde queres descanso, sou desejo”. A imagem foi postada na noite de sábado (24).

View this post on Instagram

“Onde queres descanso, sou desejo”

A post shared by Fernanda Young (@fernandayoung) on

Trajetória

 

Fernanda nasceu em Niterói (RJ) e frequentou a faculdade de letras da Universidade Federal Fluminense, mas não se formou. Mais tarde, ele também chegou a cursar parte da graduação de Rádio e TV, da Faap.

Em 1995, foi roteirista do programa “A Comédia da Vida Privada”, da Rede Globo, adaptação de textos de Luis Fernando Veríssimo que assinou com o marido, Alexandre Machado. Em 1996, lançou o primeiro livro, “Vergonha dos pés”, pela editora Objetiva.

Uma das suas séries de maior sucesso foi “Os Normais”, que foi estrelada por Fernanda Torres e Luiz Fernando Guimarães.

Ela também escreveu os roteiros das séries “Os Aspones”, “Minha nada mole vida e “O Sistema”, entre outras. E é autora de ao menos 14 livros, entre eles, “Pos-F”, “Estragos” e “A mão esquerda de vênus”.

Ela apresentou o programa “Irritando Fernanda Young”, entre 2006 e 2010, e “Confissões do Apocalipse”, em 2012, ambos no canal GNT.

Em 2009, Fernanda fez barulho ao sair nua na revista “Playboy”, que acabou vendendo acima das expectativas. “Espero que mais mulheres inteligentes e incomuns posem para a revista, cada vez mais nuas e mais livres”, disse na época.

Por G1

Portal WSCOM