Aguinaldo Ribeiro diz não ao governo e recusa relatoria da reforma da Previdência; entenda

Na imagem, o deputado federal Aguinaldo Ribeiro

Por Edney Oliveira/Portal WSCOM

 

Logo após o Partido Progressistas (PP), um dos mais importantes do centrão na Câmara, abrir negociações com o ministro Onyx Lorenzoni para votar a reforma da Previdência e em troca requerer a liderança do governo na Casa, os seus líderes mostraram mais uma vez que estão dispostos a fazer jogo duro até obter o que querem. Isso porque um dos nomes preferidos do presidente da Câmara dos Deputados para relatar a reforma da Previdência no plenário, o deputado federal paraibano e líder da maioria na Casa, Aguinaldo Ribeiro (PP), recusou o cargo.

 

Aguinaldo, que tem bom trânsito com todos os deputados, da situação à oposição, disse não ao governo. Segundo o jornal O Globo, Maia buscava convencer o líder da maioria a ocupar a função com o objetivo de “amarrar” o centrão à reforma. Na visão de Ribeiro, seria uma grande “dor de cabeça” relatar uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) dessa importância, além de não ter obtido, por parte do governo, sinais de que a liderança seria de fato sua nas negociações que foram abertas.

 

Novos relatores

Após a recusa, a comissão especial que analisará a reforma da Previdência já tem presidente e relator. Serão, respectivamente, os deputados Marcelo Ramos (PR-AM), e Samuel Moreira (PSDB-SP).  Escolhido, o deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) é descrito como “jeitoso” por aliados. Ele é amigo do secretário especial da Previdência, Rogério Marinho, que é filiado ao PSDB. Seu nome só vingou, porém, depois que Eduardo Cury (PSDB-SP) desistiu da empreitada.