menu

Esporte

07/07/2019


Copa do Mundo: Estados Unidos vence a Holanda e conquista o seu quarto título

Imagem: Franck Fife/AFP

Os Estados Unidos levaram o tetra da Copa do Mundo feminina de 2019 ao vencerem a Holanda pelo placar de 2 a 0 no no Stade de Lyon, na França. Com gols de Rapinoe e Lavelle, as americanas conquistaram novamente o topo do futebol mundial.

 

Cronologia do jogo

Remanescente do título da Eurocopa, em 2017, a goleira Van Veenendaal brilhou no primeiro tempo da partida. Com os Estados Unidos pressionando, a arqueira holandesa precisou trabalhar para evitar que sua seleção sofresse com o forte ataque rival. Van Veenendaal salvou quatro chutes perigosos dos EUA, mas foi em arremate de Alex Morgan, de fora da área, que a goleira mais teve trabalho. Segura, a goleira do Arsenal-ING mostrou muito foco e segurança.

 

Dúvida para a partida, Megan Rapinoe, eleita a melhor jogadora do mundo em 2017, foi a principal articuladora dos Estados Unidos em lances ofensivos. Praticamente todas as oportunidades das norte-americanas passaram pelo pé de Rapinoe, que caiu pelo lado esquerdo do ataque e foi muito bem marcada pela lateral Van Lunteren. Enfrentando marcação individual, Rapnioe conseguiu se desvencilhar em poucos momentos.

 

No segundo tempo, os Estados Unidos mostraram sua força ofensiva. Após consulta ao VAR e pênalti marcado, Rapinoe abriu o placar e mudou o panorama da partida. Atrás no placar, a Holanda precisou lançar-se ao ataque e deixou espaços entre o meio de campo e a defesa, e acabou pagando caro. Em veloz contra-ataque, os EUA ampliaram com Lavelle. Com tempo no relógio, as holandesas ainda lutaram, mas encontraram um rival bem postado atrás e com praticamente todo o time atrás da linha da bola.

 

Ninguém tem mais títulos que elas

Pela quinta vez na final da Copa do Mundo, em oito edições realizadas, os Estados Unidos conquistaram seu quarto título, ampliando seu recorde no futebol feminino. Com títulos em 1991, 1999 e 2015, as norte-americanas perderam apenas uma final, em 2011, para o Japão, nos pênaltis.